Governo do Paraná assinará parceria com a Rússia para vacina contra Covid-19, diz diretor de instituto

Dado Ruvic/Illustration/Reuters
Dado Ruvic/Illustration/Reuters

O chefe do fundo soberano da Rússia, Kirill Dmitriev, disse que a vacina deveria ser produzida no Brasil após aprovação regulatória

O governo do Estado do Paraná assinará um acordo com a Rússia para uma parceria em uma vacina contra a Covid-19, disse hoje (11) o diretor-presidente do Instituto de Tecnologia do Paraná, Jorge Callado, em entrevista à “GloboNews”.

“Nós estamos numa fase muito inicial dessas tratativas. Para que tenha qualquer troca de informações, qualquer reunião mais avançada é necessária a assinatura do acordo entre o governo do Paraná e a Rússia, que está prevista para acontecer”, disse Callado na entrevista à emissora.

LEIA MAIS: Anvisa aprova dose de reforço em teste da vacina de Oxford contra Covid-19 no Brasil

“Após esse ajuste com o governo da Rússia, as tratativas tecnológicas e científicas começam. É importante nos pautarmos por prudência, pautarmos por segurança, por transparência dentro desse processo. E também que a transferência de tecnologia esteja envolvida em todas essas etapas para que o Brasil venha a adquirir gradativamente uma autonomia na produção desses imunizantes.”

A Secretaria de Comunicação do governo do Estado do Paraná disse que o governador Ratinho Júnior (PSD) tem prevista uma reunião amanhã (12) com o embaixador russo no Brasil, mas não confirmou que será assinado um acordo de parceria para a vacina.

Mais cedo, o presidente russo, Vladimir Putin, anunciou que o país foi o primeiro a dar aprovação regulatória para uma vacina contra a doença provocada pelo novo coronavírus, que será comercializada internacionalmente com o nome de Sputnik 5, em referência ao primeiro satélite lançado ao espaço na história, pela então União Soviética em 1957.

O chefe do fundo soberano da Rússia, Kirill Dmitriev, disse que a vacina deveria ser produzida no Brasil após aprovação regulatória.

A vacina foi aprovada após menos de dois meses do início dos testes em humanos, o que levou cientistas internacionais a questionarem se a Rússia não está colocando o prestígio nacional à frente de uma ciência sólida e segura. A aprovação pelo Ministério da Saúde veio antes do início dos testes clínicos em Fase 3, com milhares de voluntários e etapa considerada normalmente como essencial para o registro de uma vacina.

Callado foi cauteloso e disse que o acordo do governo paranaense com a Rússia é um “começo” e que depende da realização dos estágios necessários.

“É algo muito preliminar, não existe compromisso de produção enquanto essas etapas não forem validadas, não forem consolidadas e não forem liberadas pela Anvisa, pela Comissão Nacional de Ética em Pesquisa. É um começo onde nós buscamos intercâmbio e informações”, disse ele à “GloboNews”.(Com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Participe do canal Forbes Saúde Mental, no Telegram, e tire suas dúvidas.

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).