Rússia torna-se primeiro país do mundo a aprovar vacina contra Covid-19, diz Putin

Anton Vaganov/Reuters
Anton Vaganov/Reuters

A aprovação da vacina pelo Ministério da Saúde vem antes do início de um teste mais amplo com milhares de voluntários, conhecido como Fase 3 de ensaio clínico

O presidente da Rússia, Vladimir Putin, disse hoje (11) que o país tornou-se o primeiro do mundo a dar aprovação regulatória para uma vacina contra a Covid-19 depois de menos de dois meses de testes em humanos, uma medida exaltada por Moscou como prova de sua coragem científica.

Este desdobramento abre caminho para a inoculação em massa da população russa, mesmo que o estágio avançado de ensaios clínicos para testar a eficácia e a segurança da vacina ainda não tenha sido concluído.

LEIA MAIS: Anvisa aprova dose de reforço em teste da vacina de Oxford contra Covid-19 no Brasil

A velocidade com que a Rússia está disponibilizando sua vacina enfatiza a determinação do país em vencer a corrida global em busca de um imunizante efetivo, mas gerou preocupações de que o prestígio nacional esteja sendo colocado à frente de uma ciência sólida e segura.

Ao falar durante uma reunião de governo transmitida pela TV, Putin disse que a vacina, desenvolvida pelo Instituto Gamaleya, de Moscou, é segura e que ela foi aplicada em uma de suas filhas.

“Eu sei que ela funciona muito efetivamente, forma uma imunidade forte, e eu repito, ela passou por todas as checagens necessárias”, disse Putin.

Ele disse esperar que o país inicie a produção em massa da vacina.

A aprovação da vacina pelo Ministério da Saúde vem antes do início de um teste mais amplo com milhares de voluntários, conhecido como Fase 3 de ensaio clínico.

Esse teste, que exige que um certo percentual de participantes peguem o vírus para observar o efeito da vacina, é normalmente considerado um requisito necessário e essencial para uma vacina receber aprovação regulatória.

VEJA TAMBÉM: Fundação de Bill Gates doa US$ 150 mi para distribuição da vacina de Covid-19 em países em desenvolvimento

Reguladores ao redor do mundo têm insistido que a pressa para desenvolver vacinas contra a Covid-19 não irá comprometer a segurança. Mas pesquisas recentes mostraram uma crescente descrença pública nos esforços dos governos para rapidamente produzir uma vacina.

O chefe do fundo soberano da Rússia, Kirill Dmitriev, exaltou a aprovação como um “momento Sputnik” histórico, numa referência ao lançamento pela então União Soviética em 1957 do Sputnik 1, o primeiro satélite do mundo.

Ele disse que a vacina será comercializada globalmente com o nome de “Sputnik 5”. A imprensa estatal russa divulgou amplamente a notícia.

Profissionais de saúde russos que tratam de pacientes com Covid-19 terão a chance de se voluntariarem para serem vacinados logo após a aprovação da vacina, disse uma fonte à Reuters no mês passado.

Mais de 100 possíveis vacinas contra a Covid-19 estão sendo desenvolvidas ao redor do mundo. Pelo menos quatro estão na Fase 3 de testes em humanos, de acordo com dados da Organização Mundial da Saúde (OMS).

OMS e Rússia discutem vacina

A Organização Mundial da Saúde (OMS) e as autoridades de saúde da Rússia estão discutindo o processo para uma possível pré-qualificação pela OMS da recém-aprovada vacina contra Covid-19 do país, disse um porta-voz do órgão hoje.

E TAMBÉM: Fundação Lemann e empresas investirão R$ 100 milhões em fábrica de vacina contra Covid-19 no Brasil

“Estamos em contato próximo com as autoridades de saúde russas e as discussões estão em andamento no que diz respeito à pré-qualificação a vacina. Mas, novamente, a pré-qualificação de qualquer vacina envolve análise e avaliação rigorosas de todos os dados de segurança e eficácia requeridos”, disse o porta-voz da OMS Tarek Jasarevic durante um briefing em Genebra, se referindo aos ensaios clínicos.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Participe do canal Forbes Saúde Mental, no Telegram, e tire suas dúvidas.

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).