Vacina russa contra Covid-19 produz anticorpos

Resultado mostrou que 100% dos pacientes desenvolveram anticorpos para o novo coronavírus sem nenhum efeito colateral grave.

Blog da Redação
Compartilhe esta publicação:
Andrey Rudakov/Reuters
Andrey Rudakov/Reuters

Resultados de dois testes, conduzidos entre junho e julho mostraram que 100% dos pacientes desenvolveram anticorpos

Acessibilidade


A vacina russa “Sputnik-5” contra a Covid-19 produziu resposta de anticorpos em todos os participantes de testes em fase inicial, de acordo com resultados publicados hoje (4) pela revista científica “The Lancet”, que foram considerados por Moscou como uma resposta aos críticos.

Os resultados de dois testes, conduzidos entre junho e julho deste ano envolvendo 76 participantes, mostraram que 100% dos pacientes desenvolveram anticorpos para o novo coronavírus sem nenhum efeito colateral grave, disse a publicação.

LEIA MAIS: CDC diz a Estados dos EUA que se preparem para distribuição de vacina da Covid-19 até novembro

A Rússia licenciou a vacina de duas doses para uso doméstico em agosto, o primeiro país a fazer isso e antes de quaisquer dados sobre os testes serem divulgados ou do início de testes em larga escala.

“Os dois testes de 42 dias –incluindo 38 adultos saudáveis cada– não encontraram nenhum efeito adverso grave entre os participantes, e confirmaram que a candidata a vacina gerou resposta de anticorpos”, disse a “The Lancet”.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

“Testes mais amplos e de longo prazo, incluindo uma comparação com placebo, e mais monitoramento são necessários para estabelecer a segurança de longo prazo da vacina na prevenção da infecção pela Covid-19”, disse a publicação. (Com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Participe do canal Forbes Saúde Mental, no Telegram, e tire suas dúvidas.

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Compartilhe esta publicação: