Como o esporte pode ajudar a lidar com as frustrações no trabalho

É possível cultivar nossas atitudes e emoções frente às dificuldades do dia a dia; os atletas profissionais fazem isso rotineiramente.

Arthur Guerra
Compartilhe esta publicação:
Getty Images
Getty Images

A vida, como a corrida, é uma tarefa penosa, mas conseguimos melhorar nosso desempenho quando encaramos os problemas

Acessibilidade


Todos os dias, temos pequenas, médias e grandes frustrações. O período de isolamento social, só para citar algo próximo a todos nós, nos trouxe todo tipo de frustração. Da viagem que muitos haviam planejado e a festa de casamento que estava agendada às – no meu caso – provas de corrida que pretendia fazer, praticamente todos se viram desapontados em algum momento por causa da pandemia.

Como lidar com essas frustrações? Essa é uma pergunta essencial, que não tem uma resposta exata, cartesiana. Mas é justamente o tipo de solução que damos em resposta aos desapontamentos que pode nos fazer sair melhor e mais fortes deles ou nos paralisar, impedindo que sigamos em frente.

LEIA TAMBÉM: Empresas poderiam fazer mais pela saúde mental de sua força de trabalho

O esporte nos ensina muito a lidar com frustrações, porque elas estão presentes na vida de qualquer atleta, profissional ou amador. Elas são quase diárias. Eu vou contar o que aconteceu comigo na Meia Maratona do Rio, realizada no dia 14 de novembro. Era a minha primeira prova de corrida depois desse período difícil pelo qual passamos nos últimos dois anos.

Eu havia optado por não correr a maratona inteira, mas a meia, um pouquinho mais do que 21 km. Eu já fiz dezenas de meias maratonas e, mesmo sabendo que havia me preparado para correr só aquela quilometragem, finalizei com um certo gosto amargo na boca. Eu tinha feito um tempo bem acima do que costumava fazer antes do coronavírus, com uma sensação de que poderia ter me saído melhor.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Eu poderia ter terminado a prova me sentindo menor, me culpando por não ter conseguido bater os tempos que tinha me colocado como objetivo. Eu não fiz isso, não me deixei abater por aquele meu resultado. Esqueci o tempo final e fui comemorar a bela prova que tinha acabado de completar.

O que o esporte nos ensina é que podemos usar esse desapontamento a nosso favor. Que tal, na próxima vez, baixar a expectativa em relação aos nossos próprios desempenhos? Que tal nos preparar por mais tempo para cumprir uma meta que nos foi colocada? Que tal conversar com amigos que também enfrentaram as suas primeiras provas/desafios pós-isolamento e saber deles se não tiveram experiências parecidas com as minhas? Que tal nos dar um desconto, pois esses dois anos não foram fáceis e muitos, assim como eu, trabalharam como nunca?

O meu técnico sempre fala que nesse esporte de correr não há atalhos. A vida, assim como a corrida, é uma tarefa penosa, mas é encarando as dificuldades que ela nos coloca que, nós, pessoas comuns – assim como os atletas – conseguimos melhorar o nosso desempenho em todos os aspectos.

É possível, sim, cultivar nossas atitudes e emoções frente às frustrações que vivemos diariamente. Os atletas profissionais fazem isso rotineiramente. Faz parte do que chamamos de construção de resiliência. Ao invés de acharem algo ou alguém para responsabilizar por aquela frustração, se voltam para eles mesmos para encontrar o que podem melhorar.

Dr. Arthur Guerra é professor da Faculdade de Medicina da USP, da Faculdade de Medicina do ABC e cofundador da Caliandra Saúde Mental.

Os artigos assinados são de responsabilidade exclusiva dos autores e não refletem, necessariamente, a opinião de Forbes Brasil e de seus editores.

Compartilhe esta publicação: