No ponto: É de bom-tom usar gratidão para agradecer?

A professora Cíntia Chagas aponta que o velho e tradicional obrigado pode ser uma alternativa mais segura em situações formais

Cíntia Chagas
Compartilhe esta publicação:
Jose Luis Pelaez Inc/Getty Images
Jose Luis Pelaez Inc/Getty Images

Em ambientes formais, é melhor usar o bom e velho obrigado no lugar de gratidão para agradecer a alguém

Acessibilidade


Professora, ao agradecer a alguém, posso falar gratidão ou é errado? Bem, há quem diga que estamos vivendo uma verdadeira praga linguística, a praga da gratidão. Mas, parodiando os famosos vídeos de uma divertida atriz, prefiro dar a seguinte resposta: quer usar? Use. É de bom-tom? Não, não é de bom-tom.

Difundido nas redes sociais, o modismo gratidão é utilizado no lugar do tradicional obrigado e soa estranho a ouvidos linguisticamente exigentes. Vai que o seu chefe seja uma dessas pessoas? Soltar um sonoro gratidão pode não ser uma boa ideia. Não entendeu ainda? Amantes da língua portuguesa tendem a sofrer uma certa ojeriza quando se trata de modismos. Simples assim. Somos conservadores no que diz respeito ao nosso idioma.

VEJA TAMBÉM: No ponto: Uma gramática que não perdoa

O que fazer então? Que tal usar o bom e velho obrigado? Particípio do verbo obrigar, ele vem da ideia de ser obrigado a ser grato a alguém. Ou seja: para que você não precise dizer “Eu sou obrigado a ser grato a você”, há o simples, útil e tradicional obrigado. Lembrando que mulheres dizem obrigada, ao passo que homens dizem obrigado exatamente pela lógica da frase “Eu sou obrigado (a) a ser grato (a) a você.”

Então é isso, filho de Deus. Agradeça, seja grato. Todavia, em situações formais, prefira falar e escrever obrigado a falar e escrever gratidão. O tradicional não ofende, conserva empregos e reputações. Mas… Quer usar? Use. É de bom-tom? Não, não é de bom-tom.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Até semana que vem.

Cíntia Chagas é uma professora que sempre leva humor e conhecimento ao público. Escritora de dois best-sellers da editora HarperCollins, ela coleciona milhares de alunos nos cursos virtuais que ministra. Palestrante e instagrammer, provou que irreverência, humor e educação podem e devem andar juntos.

Os artigos assinados são de responsabilidade exclusiva dos autores e não refletem, necessariamente, a opinião de Forbes Brasil e de seus editores.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Compartilhe esta publicação: