Startup de aluguel de curto prazo Kasa Living busca se tornar um novo Airbnb

Reprodução
Reprodução/Forbes

No final de 2018, a Kasa já tinha 100 quartos em seis cidades diferentes

A Kasa Living, uma startup que oferece aluguel de curto prazo em hotéis e propriedades multifamiliares, levantou US$ 30 milhões em financiamentos da Série B para melhorar seu software e simplificar suas operações, diz a empresa. A arrecadação de fundos se soma a US$ 20 milhões da Série A adquiridos no ano passado sem anúncio público. 

“O que os clientes da Kasa veem é apenas a ponta do iceberg. A enorme complexidade operacional nos bastidores é tratada pela plataforma de tecnologia da empresa”, disse Nick Shalek, sócio geral da Ribbit Capital, que liderou a última rodada.

VEJA MAIS: 5 inovações tecnológicas para hotéis futuristas

Outros investidores incluem RET Ventures, Zigg Capital, FirstMark Capital, Allegion Ventures e BoxGroup.

Kasa foi fundada em 2016 por Roman Pedan, ex-KKR, grupo imobiliário, enquanto ele era estudante na escola de negócios de Stanford. Na época, diz ele, a popularidade do Airbnb estava disparando, mas os viajantes “às vezes tinham uma ótima experiência e outras ruins. Eles estavam perdendo aquele elemento de confiança.”

Ele decidiu criar aluguéis de curto prazo que eram mais padronizados, mas ainda assim mais baratos do que muitas locações, aproveitando unidades vagas dentro de hotéis e apartamentos. Hoje, o aluguel típico da Kasa sai por cerca de US$ 130 por noite.

A Kasa firmou sua primeira parceria com um prédio de apartamentos em Santa Clara, cujo dono ofereceu quatro unidades como piloto. Eles tiveram menos de uma semana para converter o espaço. “Estávamos dormindo no chão dos apartamentos porque as camas ainda não haviam sido colocadas”, diz Pedan.

O piloto correu bem e, no final de 2018, a Kasa já tinha 100 quartos em seis cidades diferentes. A empresa relata que agora tem quase 1.000 quartos em 35 cidades, gerando 100 mil reservas por ano e faturamento anual de cerca de US$ 30 milhões. O negócio ainda não é lucrativo.

Durante a pandemia, Pedan diz que a empresa aumentou as vendas em 50%, à medida que as pessoas buscam moradias temporárias fora dos centros das cidades. A maioria das reservas vem de viajantes a negócios e famílias.

A Kasa trabalha para tirar espaço do Airbnb, mas tem um enorme mercado para explorar. “Os aluguéis de curto prazo representam agora uma indústria de US$ 115 bilhões por ano”, disse o diretor-gerente da CBRE, Mark VanStekelenburg, em um relatório de fevereiro. “Como resultado, as avaliações tradicionais de hotéis não são mais apropriadas.” O relatório observou que os aluguéis de curto prazo estão começando a atingir saturação nos grandes mercados urbanos. Mas a Kasa ainda tem muito espaço para crescer.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:
Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).