Apresentado por       

Relatório que aponta economia mundial pior derruba mercados

Previsão de contração do PIB mundial em mais de 4% provoca queda de bolsas com maior aversão a risco

Gustavo Cruz, colaborador da marca
Apresentado por       
Compartilhe esta publicação:
Ricardo Moraes/Reuters
Ricardo Moraes/Reuters

Entidade prevê queda de 7,5% para a economia da zona do euro

Acessibilidade


Os mercados de todo o mundo apresentam queda generalizada após previsões de recuperação lenta da economia. A Agência Internacional de Energia (AIE) divulgou um relatório em que prevê a contração do PIB mundial em “um pouco superior” a 4%. A entidade, sediada em Paris, prevê reduções particularmente acentuadas na Europa (-7,5% para a zona do euro), Estados Unidos (-6,1%), Japão (-5,2%) e América Latina (-5,2%).

LEIA MAIS: Tudo sobre finanças e o mercado de ações

O sentimento já vem da repercussão negativa do discurso do presidente do Fed, Jerome Powell, no qual ele desenhou um cenário com uma economia bem fraca e de recuperação lenta.

Hoje (14), também ganham força os temores de uma 2ª onda de contágios, o que pode provocar novos isolamentos e um estresse nos mercados. Um estudo do governo espanhol mostrou que 5% da população espanhola contraiu o novo coronavírus, ainda que essa taxa aumente para 10% na região de Madri e em outras do centro do país. O nível de contágio, estimado em 65% a 70% da população, a partir do qual se considera que haja um nível suficiente de imunidade coletiva está bem distante. A França apontou também que não tem 10% da população entre os que já foram contaminados.

No Brasil, o Congresso aprovou o projeto de lei para permitir aumentar o salário dos policiais do Distrito Federal em até 25%.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

O projeto custará R$ 505 milhões para a União, e deve abrir espaço para o veto presidencial dos reajustes salariais de servidores públicos.

A pauta de hoje no Senado tem temas relevantes: o PL 1.542/2020, que suspende reajustes de preços de medicamentos e de plano de saúde por 120 dias, e o PL 1.166/2020, que estabelece teto de juros de 20% ao ano em cartões de crédito e cheque especial para dívidas contraídas.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Compartilhe esta publicação: