Apresentado por       

Vendas comparáveis do Walmart sobem 10% no 1° tri

Receita de vendas online teve alta de 74%.

Redação
Apresentado por       
Compartilhe esta publicação:
Forbes
Forbes

A empresa suspendeu suas previsões para o ano inteiro devido à incerteza em seus negócios causada pela pandemia

Acessibilidade


O Walmart divulgou hoje (19) que suas vendas comparáveis nos Estados Unidos aumentaram 10% e a receita das vendas online teve alta de 74% conforme clientes estocavam produtos e itens essenciais durante as paralisações causadas pela pandemia de coronavírus.

O maior varejista físico do mundo, como muitas outras empresas essenciais, registrou um aumento sem precedentes na demanda no final de março e no início de abril, quando decretos de isolamento social fizeram com que os consumidores estocassem produtos enquanto limitavam suas idas ao mercado.

VEJA TAMBÉM: Google e Walmart se unem a esforços do governo para acelerar testes de coronavírus

No entanto, a empresa suspendeu suas previsões para o ano inteiro devido à incerteza em seus negócios causada pela pandemia.

O Walmart também vem incrementando as contratações, com aumento temporário de salários e gastando mais com a manutenção de suas lojas e centros de atendimento, à medida que as frustrações aumentam entre os trabalhadores dos armazéns, de entregas e varejo dos Estados Unidos, devido a preocupações com sua segurança e remuneração.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

A empresa disse que incorreu em custos adicionais relacionados à pandemia em quase US$ 900 milhões.

Ainda assim, o lucro operacional aumentou 5,6%, para US$ 5,22 bilhões no trimestre encerrado em 30 de abril, com lucro por ação ajustado em US$ 1,18 dólar, superando as expectativas de Wall Street de US$ 1,12 por ação. (Com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Compartilhe esta publicação: