Dólar cai forte ante real com apetite por risco no exterior

iStock
iStock

Às 10:13, a moeda norte-americana recuava 1,88%, a R$ 5,1730 na venda

O dólar ampliava as perdas contra o real nos primeiros negócios de hoje (23), refletindo o clima otimista no exterior em meio a sinais de recuperação da atividade e de alívio nas relações entre Estados Unidos e China, enquanto os investidores locais reagiam à ata do Copom.

Às 10:13, a moeda norte-americana recuava 1,88%, a R$ 5,1730 na venda, enquanto o principal contrato de dólar futuro caía 1,71%, a R$ 5,1645.

VEJA TAMBÉM: Inscreva-se no Canal Forbes Pitch, no Telegram, e fique por dentro de tudo sobre empreendedorismo

Segundo Flávio Serrano, economista-chefe do banco Haitong, o movimento de hoje reflete uma mudança em relação à aversão a risco vista no dia anterior, quando os investidores saíram de ativos de maior volatilidade, como ações e algumas moedas emergentes.

“Hoje há uma redução desse movimento, é um dia melhor. Os dados de atividade da Europa vieram bons, mais fortes do que se esperava, e as economias seguem reabrindo”, afirmou.

A pesquisa Índice de Gerentes de Compras (PMI) divulgada hoje mostrou que a contração histórica da economia da zona do euro diminuiu de novo este mês já que várias empresas que haviam sido forçadas a fechar as portas para conter a disseminação do coronavírus reabriram.

Também colaborando para o sentimento, o assessor comercial da Casa Branca, Peter Navarro, voltou atrás em suas declarações de que o pacto comercial entre EUA e China estaria “acabado”, dizendo que seus comentários foram tirados do contexto, enquanto o presidente norte-americano, Donald Trump, confirmou no Twitter que o acordo está “totalmente intacto”.

Nos mercados globais, ativos de risco — como as bolsas europeias, os futuros de Wall Street e moedas de países emergentes ou ligadas a commodities — operavam em alta hoje.

Já no Brasil, a atenção estava na ata da reunião do Comitê de Política Monetária (Copom), em que o Banco Central avaliou que a atividade econômica brasileira atingiu o fundo do poço em abril e disse que o país já estaria próximo do limite efetivo mínimo para a taxa básica de juros, a partir do qual novos cortes seriam contraproducentes.

LEIA MAIS: Tudo sobre finanças e o mercado de ações

A redução da Selic a mínimas históricas é apontada por analistas como fator de impulso para o dólar, uma vez que torna rendimentos locais atrelados aos juros básicos menos atraentes. Outros aspectos que favorecem a busca por segurança são as incertezas políticas e econômicas no Brasil, que podem ser ainda mais agravadas caso haja uma segunda onda global de infecções por Covid-19.

“A tendência do nosso dólar comercial, no curto e no médio prazo, continua indefinida”, disse Jefferson Rugik, da Correparti Corretora. “O risco de uma segunda onda do coronavírus se torna presente, e é ele o fator de definição de uma futura tendência.”

Na última sessão, o dólar negociado no mercado interbancário caiu 0,86%, a R$ 5,2722 na venda.

O Banco Central fará neste pregão leilão de até 12 mil contratos de swap tradicional com vencimento em novembro de 2020 e fevereiro de 2021, para rolagem de contratos já existentes. (Com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Inscreva-se no Canal Forbes Pitch, no Telegram, para saber tudo sobre empreendedorismo.

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).