Dólar encerra volátil em semana praticamente estável

ReutersConnect/Sergio Moraes
ReutersConnect/Sergio Moraes

Casa de câmbio no Rio de Janeiro (RJ)

O dólar fechou em queda ante o real hoje (10), depois de chegar a subir quase 1%, com as vendas predominando no fim da sessão em meio à recuperação do apetite por risco no exterior por esperanças de tratamento mais eficaz para a Covid-19.

O dólar à vista caiu 0,37%, a R$ 5,3236 na venda.

Na semana, o dólar teve variação positiva de 0,06%. Em julho, a cotação recua 2,14%. Em 2020, o dólar sobe 32,66%.

LEIA MAIS: Warren recebe aporte de R$ 120 milhões

Na B3, o dólar futuro cedia 0,42%, a R$ 5,3245, às 17h15.

No exterior, o índice do dólar frente a uma cesta de divisas de países desenvolvidos caía 0,13% no fim da tarde. O dólar cedia mais contra peso mexicano, peso colombiano e rand sul-africano – assim como o real, divisas que se beneficiam de maior apetite por risco.

O sentimento de risco começou o dia abalado, mas a notícia de que o medicamento remdesivir, da Gilead, melhorou significativamente a recuperação clínica e reduziu o risco de morte em pacientes com Covid-19 trouxe de volta o ânimo aos mercados, uma vez que fortaleceu esperanças de controle da pandemia e, assim, de que novos bloqueios potencialmente danosos à economia não sejam necessários.

Em Wall Street, o índice S&P 500 fechou em alta de 1,07%, segundo dados preliminares, depois de cair mais cedo.

Mas o dia de vaivém nos preços reforçou a sensação de cenário ainda incerto. Ao longo do pregão, o dólar oscilou entre alta de 0,97%, a R$ 5,3954, e recuo de 0,55%, para R$ 5,314.

Mais de 60.500 novas infecções por coronavírus foram relatadas nos Estados Unidos ontem (9), a maior contagem de casos em um único dia em qualquer país desde que o vírus surgiu no final do ano passado na China. E no Brasil a pandemia também segue resiliente, com 42.619 novos casos de coronavírus na quinta, elevando o total para 1.755.779.

“Frente ao aumento dos riscos do cenário, investidores optam por manter posições mais cautelosas”, disse em nota Alejandro Ortiz Cruceno, da equipe econômica da Guide Investimentos.

Mais cedo, dados sobre preços ao produtor nos Estados Unidos vieram mais fracos do que o esperado, e o Bank of America enxerga algum viés negativo para o dólar.

“Esperamos uma deterioração nos dados dos EUA em relação aos indicadores externos, revertendo uma tendência de desempenho superior e pesando sobre o dólar”, disse o banco em nota.

LEIA TAMBÉM: XP vê potencial de alta menor para Ibovespa em 2020 após recuperação recente

No Brasil, os números mais recentes apontam cenário ainda tortuoso. O setor de serviços contrariou expectativas e caiu em maio, enquanto o IPCA de junho subiu apenas em linha com as expectativas.

Em entrevista à Reuters na noite de quarta-feira (8), o presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, disse que a entidade precisa entender o impacto do crescimento na inflação para avaliar se ainda há espaço para corte residual nos juros básicos, complementando que dados na margem mostram inflação acima das expectativas.

Leituras de inflação mais altas poderiam barrar expectativas adicionais de cortes de juros pelo Banco Central, evitando nova deterioração nas análises de risco/retorno para o real. (Com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Inscreva-se no Canal Forbes Pitch, no Telegram, para saber tudo sobre empreendedorismo.

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).