Exxon tem prejuízo pelo 2º tri consecutivo com impactos de demanda e preço

Balanço Financeiro Forbes
Balanço Financeiro Forbes

Exxon não registrou baixas de ativos no período e obteve um impulso de US$ 0,44 por ação a partir de ganhos de valor com estoques

A petroleira Exxon Mobil reportou hoje (31) um prejuízo de US$ 1,1 bilhão no segundo trimestre, em resultado pressionado pelas fortes quedas na demanda por energia e nos preços do petróleo em função da pandemia de Covid-19, e confirmou possuir planos para mais cortes de gastos.

Essa foi a primeira vez em pelo menos 36 anos que a Exxon registrou prejuízos por dois trimestres consecutivos, embora as perdas tenham sido menores que as de empresas rivais, que levaram enormes pancadas no último trimestre.

VEJA TAMBÉM: Caterpillar tem lucro menor no 2º trimestre com efeitos de Covid-19

A maior produtora de petróleo dos Estados Unidos não registrou baixas de ativos no período e obteve um impulso de US$ 0,44 por ação a partir de ganhos de valor com estoques.

Chevron, Total, Shell e Eni, por exemplo, reavaliaram valores de ativos de óleo e gás no trimestre, em baixas de bilhões de dólares, enquanto a BP registrou um corte de US$ 17,5 bilhões no período.

E AINDA: Forbes promove webinar sobre saúde mental nas empresas. Participe
A Exxon reduziu os gastos de capital em 30% neste ano, para cerca de US$ 23 bilhões, e o vice-presidente sênior, Neil Chapman, disse que a companhia espera gastar menos de US$ 19 bilhões no ano que vem, o que representaria o menor nível de gastos da petroleira desde 2005, pelo menos.

A empresa planeja cortar gastos de capital e operacionais para defender seus dividendos, disse Chapman em uma conferência com analistas, acrescentando que os investidores “passam a ver esse dividendo como uma fonte de estabilidade em seus rendimentos.” (Com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Participe do canal Forbes Saúde Mental, no Telegram, e tire suas dúvidas.

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).