Ibovespa sobe mais de 2% e termina semana flertando com 103 mil pontos

ReutersConnect/Paulo Whitaker
ReutersConnect/Paulo Whitaker

A baixa da Selic contribuiu para a maior alta do Ibovespa desde março

O Ibovespa fechou em alta de 2% hoje (17), renovando máxima desde o começo de março, acima dos 102 mil pontos, embalado por uma combinação de fatores, incluindo a taxa Selic em patamar extremamente baixo.

Índice de referência do mercado acionário brasileiro, o Ibovespa encerrou com elevação de 2,32%, a 102.888,25 pontos, maior patamar de fechamento desde 4 de março. Na máxima do dia, chegou a 103.016,60 pontos.

LEIA MAIS: Ericsson tem lucro acima de estimativas no 2° trimestre

Na semana, registrou ganho de 2,86%, ampliando a alta no mês para 8,2%. No ano, ainda recua 11%.

O volume financeiro somou R$ 29,5 bilhões neste pregão, também refletindo últimos ajustes de posições antes do vencimento de opções sobre ações na bolsa paulista na segunda-feira.

Na próxima semana, também começa a temporada de resultados no Brasil, com WEG abrindo o calendário das empresas listadas no Ibovespa no dia 22.

Para o gestor Werner Roger, da Trígono Capital, a alta nesta sessão reflete um pouco de “mais do mesmo”, uma combinação de fatores que partem de juros baixos e perspectivas de ainda mais fluxo para a bolsa, sem notícias ruins mais recentemente.

“Investidores institucionais não estão encontrando ativos de renda fixa para cobrir as metas atuariais e estão subalocados em bolsa. Ainda estão tímidos, mas poderão ser a ‘segunda onda’ após a migração de recursos de pessoas físicas”, avaliou. “Os estrangeiros viriam em um terceira onda. Há muito fluxo ainda por vir”, acrescentou.

Dados da B3 mostram que a parcela de investidor pessoa física nas negociações –compra e venda– no segmento Bovespa neste mês já alcança 26,7%, contra 23,6% dos institucionais. Os estrangeiros respondem por 44,3%, conforme os dados até o dia 15.

Estrategistas do Itaú BBA citaram em relatório que veem os fundos de pensão no país aumentando a exposição a ativos mais arriscados em busca de retornos mais elevados para cumprirem suas metas atuariais.

A equipe liderada por Marcos Assumpção chamou a atenção para R$ 60 bilhões de NTN-B (papéis do Tesouro Nacional atrelados à inflação medida pelo IPCA) para vencer, com parte desses recursos podendo ser canalizado para a bolsa.

LEIA TAMBÉM: Mourão volta a defender nova CPMF com destino específico
No mesmo relatório, eles rolaram para 2021 preço-alvo do Ibovespa a 118 mil pontos, citando além do efeito juros e de migração de recursos, potencial revisão positiva nas previsões de lucros de alguns setores com peso relevante no índice.

Em Wall Street, o último pregão da semana teve menos fôlego, com a safra de balanços repercutindo nos negócios, enquanto investidores continuaram avaliando perspectivas de mais estímulos fiscais contra temores de outras interrupções nos negócios em razão de um aumento recorde nos casos da Covid-19. (Com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Participe do canal Forbes Saúde Mental, no Telegram, e tire suas dúvidas.

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).