Receita da Cargill cresce 1% no ano fiscal de 2020, para US$ 114,6 bi

Forbes
Forbes

A alta nas receitas foi a terceira registrada pela Cargill em quatro anos

A companhia global de commodities agrícolas Cargill registrou alta de 1% na receita do ano fiscal de 2020, encerrado em 31 de maio, para US$ 114,6 bilhões de dólares, informou a empresa hoje (16).

Pela primeira vez desde 1996, a empresa de capital fechado interrompeu neste ano as divulgações públicas da maioria de seus dados financeiros trimestrais e anuais.

VEJA TAMBÉM: Lucro do Bank of America cai mais de 50% com impacto da pandemia

A Cargill reinvestiu 80% do fluxo de caixa operacional na organização, de acordo com comunicado enviado por e-mail.

A alta nas receitas foi a terceira registrada pela Cargill em quatro anos, depois de inundações nos Estados Unidos e a guerra comercial entre norte-americanos e chineses contribuírem para uma queda de 1% no ano fiscal de 2019, conforme informações divulgadas pela companhia.

A cadeia de ofertas de operadores de commodities agrícolas teve um novo choque com a pandemia de coronavírus, que forçou frigoríficos e produtores de biocombustíveis a interromper serviços, enquanto a demanda por alimentos para consumo doméstico avançou.

Surtos da Covid-19 levaram ao fechamento de algumas instalações da Cargill, incluindo uma unidade de carne bovina em Alberta, que produz alimentos para restaurantes do McDonald’s.

A Cargill disse que até o início de junho todas as suas fábricas de carnes na América do Norte já haviam reaberto, com “procedimentos de segurança reforçados”. (Com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Inscreva-se no Canal Forbes Pitch, no Telegram, para saber tudo sobre empreendedorismo: .

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).