Azul encerra 2º trimestre com R$ 2,3 bilhões em caixa

Companhia aérea afirmou que pretende captar recursos "em momento oportuno".

Redação
Compartilhe esta publicação:
Washington Alves/Reuters
Washington Alves/Reuters

A Azul prevê queima de caixa média de aproximadamente R$ 3 milhões por dia para o restante do ano

Acessibilidade


A Azul encerrou o segundo trimestre com posição de liquidez de R$ 2,3 bilhões, considerando caixa e equivalentes, investimentos de curto-prazo e contas a receber, uma alta em relação ao R$ 2,2 bilhões no trimestre encerrado em março e acima da projeção de R$ 2 bilhões para o período.

Mesmo avaliando que sua posição de liquidez é robusta o suficiente até o final de 2021 mesmo sem aumento de capital, a companhia aérea disse que “tem a intenção de captar recursos em um momento oportuno para aumentar seu colchão de liquidez”, pois a visibilidade sobre a recuperação da demanda ainda é incerta.

LEIA MAIS: Azul Viagens lança plataforma sobre protocolos de saúde para destinos

A companhia aérea prevê queima de caixa média de aproximadamente R$ 3 milhões por dia para o restante do ano, sem amortização de dívidas, resultante das negociações em andamento com seus parceiros financeiros, de acordo com fato relevante divulgado ontem (2) à noite.

A empresa havia estimado uma queima de caixa diária entre R$ 3 milhões e R$ 4 milhões em maio e junho, mas acabou aumentando a sua posição de caixa no mesmo período.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

“Graças ao apoio de nossos parceiros e à dedicação de nossos tripulantes, conseguimos aumentar a posição de caixa da companhia no segundo trimestre do ano, que foi sem dúvida o mais desafiador da história da indústria da aviação”, afirmou Alex Malfitani, diretor financeiro da Azul.

“O plano de recuperação da Azul está sendo bem sucedido. Conseguimos satisfazer nossa necessidade de liquidez de curto prazo, e estamos confiantes em nossa habilidade de atravessar esta crise e restaurar nossa posição como uma das mais rentáveis empresas aéreas da região”, acrescentou. (Com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Participe do canal Forbes Saúde Mental, no Telegram, e tire suas dúvidas.

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Compartilhe esta publicação: