B2W tem prejuízo menor no 2º trimestre

A B2W teve prejuízo de R$ 74,6 milhões no período, ante resultado também negativo de R$ 127,6 milhões um ano antes

A B2W teve queda no prejuízo do segundo trimestre, período em que o grupo de comércio eletrônico controlado pela Lojas Americanas teve salto de mais de 70% nas vendas de seu marketplace.

A companhia anunciou ontem (13) que teve prejuízo de R$ 74,6 milhões no período, ante resultado também negativo de R$ 127,6 milhões um ano antes. A pesquisa Refinitiv com analistas previa prejuízo de R$ 63 milhões.

LEIA MAIS: B2W aprova aumento de capital de R$ 4 bilhões a R$115 por papel

A B2W teve lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda) ajustado de R$ 184,7 milhões de abril ao fim de junho, acima da expectativa média de R$ 165,7 milhões apurada pela Refinitiv junto a analistas do setor.

O desempenho representa um crescimento de quase 68% sobre o resultado de um ano antes, enquanto a margem teve ligeira evolução de 7,5% no segundo trimestre de 2019 para 7,6%.

As vendas do marketplace da empresa dona de sites como Americanas.com e Submarino somaram R$ 6,7 bilhões de abril a julho, alta anual de 72,2%, impulsionada pela migração do varejo físico para o online por conta das medidas de isolamento social contra a epidemia de coronavírus.

A B2W terminou junho com uma base de 19,3 milhões de clientes ativos, uma adição em 12 meses de 5,1 milhões.

A companhia afirmou no resultado que apesar da reabertura gradual do varejo físico pelo país, as vendas de julho e início de agosto “seguem em ritmo acelerado”. O desempenho, segundo o balanço, tem incentivado o grupo a acelerar seus planos, que incluem meta de atingir mais de 50% das entregas de produtos no mesmo dia do pedido do cliente até 2022. No segundo trimestre, o índice foi de mais de 30%, disse a companhia. (Com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Participe do canal Forbes Saúde Mental, no Telegram, e tire suas dúvidas.

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).