Marriott reporta prejuízo acima do esperado com pandemia atingindo reservas

Crise do coronavírus prejudicou as viagens globais e levou a uma queda nas reservas de quartos.

Redação
Compartilhe esta publicação:

A receita total despencou 72,4%, para US$ 1,46 bilhão, abaixo das estimativas de US$ 1,68 bilhão

Acessibilidade


A operadora de hotéis Marriott International divulgou um prejuízo trimestral maior do que o esperado nesta hoje (10), com a crise do coronavírus prejudicando as viagens globais e levando a uma queda nas reservas de quartos.

No entanto, a Marriott ecoou os comentários do rival menor, Hilton, na semana passada, dizendo que agora espera um aumento gradual nas taxas de ocupação em todo o mundo, embora possa levar alguns anos para que retornem aos níveis de demanda do período anterior à pandemia.

LEIA MAIS: Conheça o louco por negócios que transformou a Marriott em potência mundial

“Embora nosso negócio continue a ser profundamente impactado pela Covid-19, estamos vendo sinais constantes de retorno da demanda”, disse o presidente-executivo Arne Sorenson em comunicado, acrescentando que o mercado da Grande China continua liderando a recuperação.

A Marriott disse que estava vendo uma recuperação em todas as regiões, com a taxa de ocupação global indo a 34% na semana encerrada em 1º de agosto, ante 11% na semana encerrada em 11 de abril. Na China, os níveis de ocupação atingiram 60%.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

A empresa disse que reabriu 91% de seus hotéis em todo o mundo, em comparação com 74% em abril.

Em uma base ajustada, a Marriott informou prejuízo de US$ 0,64 por ação no segundo trimestre, maior do que a expectativa dos analistas de prejuízo de US$ 0,42 por ação, de acordo com dados da Refinitiv.

A receita total despencou 72,4%, para US$ 1,46 bilhão, abaixo das estimativas de US$ 1,68 bilhão. (Com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Participe do canal Forbes Saúde Mental, no Telegram, e tire suas dúvidas.

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Compartilhe esta publicação: