Pandemia acelera triste fim dos neobanks europeus

Getty Images
Getty Images

Da esquerda para a direita: Nikolay Storonsky, CEO fundador do Revolut, Valetin Stalf, fundador e CEO da N26, e Tom Blomfield, ex-CEO da Monzo

Os maiores neobanks da Europa, entre eles Revolut, N26, Monzo e Starling, prometeram tornar o sistema bancário melhor em um novo conjunto de startups de tecnologia. Desde 2014, os bancos digitais oferecem algo simples, melhor, totalmente online e livre da linhagem pesada de marcas bancárias, em que as contas correntes haviam se tornado um exercício de prejuízo.

No entanto, a Covid-19 e o subsequente “novo normal’’ na Europa levaram os neobanks ao limite. Sem um centavo de lucro, a pandemia foi uma oportunidade para as startups fortalecerem seu relacionamento com os usuários e saírem do período de quarentena tendo provado seu valor sobre os grandes bancos.

LEIA MAIS: “As pessoas não precisam de bancos, elas precisam de banking”, diz Otavio Farah, do Fitbank

Isso no entanto não aconteceu. Na realidade, as perspectivas dos neobanks europeus murcharam, inutilizadas nas carteiras de seus usuários. Durante anos, ninguém teve motivos para questionar a afirmação de que o banco do futuro seria um neobank. No entanto, à medida que as receitas diminuem, as obrigações regulatórias minam energias e os funcionários mais antigos se demitem, a promessa básica dos neobanks da Europa de cumprirem a meta está desaparecendo rápido.

“Incertezas materiais”

O primeiro aviso veio quando o Monzo, neobank do Reino Unido, viu sua avaliação cair de US$ 2,6 bilhões em junho de 2019 para US$ 1,6 bilhão em junho de 2020. A tempestade de maus presságios se formou no final de julho, quando os fracos resultados financeiros expuseram o que eles descreveram como “incertezas materiais”. Embora tenha crescido para quatro milhões de contas, as responsabilidades regulatórias de administrar um banco custam tempo e dinheiro, e a pandemia destruiu a pequena receita do Monzo para investimentos seguros.

Os fundadores estão zarpando. O garoto-propaganda do banco, Tom Blomfield, deixou o cargo de CEO em junho. Além disso, em janeiro deste ano, o cofundador Paul Rippon anunciou no Linkedin que estava deixando o cargo para se concentrar na criação de suas “300 alpacas” com sua esposa em Nortúmbria, no norte da Inglaterra.

Enquanto isso, o Revolut, único neobank a ter um bilionário na Forbes, o fundador Nikolay Storonsky, teve suas receitas triplicadas de US$ 75 milhões em 2018 para US$ 211 milhões em 2019 em uma oferta mais ampla que inclui criptografia e ouro.

Getty Images
Getty Images

Nikolay Storonsky, CEO e fundador do Revolut

No entanto, o Revolut tem um problema de gastos. O aumento do número de funcionários de 633 no final de 2018 para 2.261 em 2019 é muito grande, mesmo com mais de 13 milhões de contas abertas. Com custos de US$ 352 milhões, acima dos US$ 120 milhões do ano anterior, a Revolut triplicou o tamanho de uma empresa deficitária.

A companhia anunciou à equipe em abril que havia perdido “alavancagem operacional”, ficando “gorda e fraca” no processo. No mesmo mês, a Revolut lançou um esquema voluntário de sacrifício de salário temporário em toda a empresa para retomar o controle. Um porta-voz da Revolut disse à Forbes: “Como muitos negócios, à medida que a receita reduzia, precisávamos diminuir os custos em toda de forma geral”. Embora a chegada de US$ 500 milhões em fevereiro em um negócio liderado pela TCV, com sede na Califórnia, tenha ajudado, injetar dinheiro direto na veia principal não durará para sempre.

CONFIRA: “Os clientes não têm mais apego aos bancos”, diz Roberto Marinho Filho, da Conta Zap

Na Europa continental, o neobank alemão N26, com cinco milhões de clientes, receita de US$ 50 milhões e perdas operacionais de US$ 86 milhões, está se recompondo devido a uma disputa com sua equipe por causa da sindicalização (na forma de um conselho de trabalhadores mais colaborativo) no final da semana passada. Notícias de Berlim apontando a polícia sendo chamada e apresentando uma ordem de restrição sugerem que nem tudo está bem.

O fundador Valentin Stalf se desculpou por como o “debate” havia “se intensificado”, depois de tentar interromper uma reunião em um bar de Berlim, onde a equipe planejava votar em um Conselho de Trabalhadores, citando questões de saúde e segurança relacionadas à pandemia. Um funcionário disse à Forbes que a reunião era menos sobre os efeitos da Covid-19 e mais sobre a quebra de sindicatos, em que recentemente afirmaram que “a confiança” na gestão do N26 estava “em um nível mais baixo”. Stalf nega, afirmando no LinkedIn que o N26 não estava “tentando impedir a formação de um conselho de empresa” e que “apoiava totalmente” os esforços para uma representação mais forte.

Getty Images
Getty Images

Valentin Stalf, CEO e fundador do N26

Neobanks em toda a Europa estão lutando para se adaptar à pressão regulatória e empresarial. No entanto, na Alemanha, a equipe se sente como um saco de pancada para as dificuldades bancárias do N26.

Starling Darling

O Starling Bank, fundado pela experiente chefe do setor bancário Anne Boden, em janeiro de 2014, continua sendo o queridinho dos bancos desafiadores do Reino Unido entre os analistas. Em uma mensagem para seus rivais na semana passada, Anne escreveu: “Crescimento é uma coisa. Sempre mantivemos os custos sob controle”, acrescentando que Starling poderia “equilibrar as contas” no final de 2020.

Getty Images
Getty Images

Anne Boden, CEO e fundadora do Starling Bank

O governo do Reino Unido vê algo no Starling e em sua abordagem madura e empresarial para os consumidores. Além disso, as contas das companhias (geradoras de receita) observaram o Starling assumir dois esquemas de empréstimos do governo para apoiar as empresas durante a pandemia. Starling pode afirmar (em algum sentido) ser como Dyson e Palantir, uma parte ativa da infraestrutura empresarial que o governo do Reino Unido convocou em um momento de crise.

VEJA TAMBÉM: Os melhores bancos do mundo: Nubank é o primeiro entre os dez mais no Brasil

No entanto, apesar de seu prestígio, o Starling tem apenas 1,25 milhão de clientes –um número por si só improvável para causar medo nos executivos dos bancos do Reino Unido. Uma interrupção difícil, rápida e dolorosa ocorre quando um concorrente chega aparentemente da noite para o dia oferecendo algo mais barato, melhor e cheio de energia. Mas, tendo levado seis anos para atingir um milhão de contas, os bancos estabelecidos em toda a Europa podem ver o Starling avançando lentamente em sua direção e, provavelmente, terão uma década para se reinventar.

Banco ou estilo de vida?

Em apenas seis meses, o tom dos analistas e comentaristas mudou. Para os especialistas do Pitchbook, a direção é clara. O analista de tecnologia emergente Robert Le adverte que se o único ativo de um neobank é seus “milhões” de clientes, então eles só são realmente atraentes para uma “instituição financeira maior” se forem capazes de empregar as partes de seus negócios que ganham dinheiro. Le prevê a compra de um neobank por um grande banco no “próximo médio prazo”, enviando pelo menos um neobank de volta sob a visão dos grandes bancos que eles procuraram quebrar.

O especialista em neobank da Accenture Tom Merry diz que ainda há um “fator de confiança”. Nos próximos seis anos, os neobanks ainda serão mais um recurso bancário com valores de depósito na casa das centenas, não milhares de dólares. Embora eles possam ser a chave para o coração do cliente por meio da “experiência”, diz Merry, muitos clientes ainda veem os bancos históricos como mais seguros e protegidos. O Digital Banking Tracker da Accenture descobriu que o saldo médio de depósito em neobanks operando no Reino Unido caiu 25%, de US$ 460 (£ 350), para US$ 340 (£ 260) por cliente no segundo semestre de 2019.

Com a normalidade voltando lentamente, a pandemia da Covid-19 aprofundou nosso relacionamento com os negócios e a tecnologia dos quais as pessoas dependem. No entanto, o período de quarentena mostra que a relação do consumidor com os neobanks não está se intensificando.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Participe do canal Forbes Saúde Mental, no Telegram, e tire suas dúvidas.

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).