Uber sofre impacto da pandemia, mas vê receita de entregas de comida dobrar

Reprodução
Reprodução

Segundo o diretor-executivo, recuperação está relacionada à forma como os diversos países vão conter o vírus

Clientes da Uber isolados em suas casas mais do que dobraram pedidos ao serviço da empresa voltado à entrega de comida no segundo trimestre, mas a demanda por viagens no aplicativo de mobilidade urbana teve apenas uma recuperação marginal.

A empresa disse que apesar desses desafios maiores está mantendo objetivo de ser lucrativa em uma base ajustada antes do final de 2021, graças a rigorosas medidas de corte de custos. A Uber teve resultado negativo medido pelo lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda) de US$ 837 milhões no segundo trimestre.

LEIA MAIS: Forbes promove primeiro webinar sobre Saúde Mental nas empresas. Participe

As corridas da Uber, no passado responsáveis por quase dois terços de sua receita, tiveram alta de 5 pontos percentuais em relação ao seu pior momento em abril, mas continuaram em queda de 75% em relação ao ano passado.

O presidente-executivo da Uber, Dara Khosrowshahi, disse a analistas que a recuperação depende da capacidade de diferentes países de conter o vírus, algo que até agora está sendo liderado pela Ásia, excluindo a Índia.

A empresa teve prejuízo líquido de US$ 1,8 bilhão no trimestre de abril a junho, incluindo taxas relacionadas à demissão de 23% de sua força de trabalho global durante um período em que as infecções pelo novo coronavírus continuaram a se espalhar nos Estados Unidos, o maior mercado da Uber.

CONFIRA: XP melhora projeção para economia do Brasil e passa a ver contração de 4,8% em 2020

O número de usuários ativos da plataforma nos 69 países em que a Uber opera caiu quase pela metade, indo a 55 milhões, ante 99 milhões no mesmo período de 2019.

A receita do Uber no segundo trimestre caiu 29%, para US$ 2,24 bilhões em relação ao ano anterior, superando a estimativa média dos analistas de US$ 2,18 bilhões, de acordo com dados da Refinitiv.

A receita no Uber Eats dobrou para US$ 1,2 bilhão, impulsionada por uma maior demanda por entregas de refeições, já que os norte-americanos continuam em grande parte isolados em suas casas. A unidade registrou um prejuízo Ebitda ajustado de US$ 232 milhões no segundo trimestre. O diretor financeiro da Uber, Nelson Chai, disse que a empresa espera que o prejuízo no terceiro trimestre seja praticamente o mesmo.

O segmento de transporte urbano da empresa permaneceu afetado pela crise do coronavírus, com a receita nos Estados Unidos e no Canadá, maior mercado combinado, caindo para US$ 1,25 bilhão. No entanto, a unidade de transporte foi o único segmento que gerou um Ebitda ajustado positivo, de US$ 50 milhões. (Com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Participe do canal Forbes Saúde Mental, no Telegram, e tire suas dúvidas.

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).