BofA vê chance de dólar abaixo de R$ 5 e Ibovespa a 130 mil pontos em 2021

REUTERS/Dado Ruvic
REUTERS/Dado Ruvic

O Bank of America ainda indica que o Brasil receberá US$ 60 bilhões em investimento direto no país (IDP) em 2021

O Bank of America está “overweight” nas ações brasileiras em 2021, vê chances de o dólar cair abaixo de R$ 5 e recomenda posições vendidas nos DIs janeiro 2022 e janeiro 2023, apostando em um cenário de “organização” fiscal, que contemple manutenção do teto de gastos e progresso em reformas micro.

“O fluxo estrangeiro virou, mas óbvio que uma intensidade maior nesse movimento vai depender do nosso fiscal”, disse David Beker, chefe de economia e estratégia do Bank of America, prevendo que o Brasil receberá US$ 60 bilhões em investimento direto no país (IDP) em 2021, acima dos US$ 45 bilhões previstos para este ano.

LEIA MAIS: Tudo sobre finanças e o mercado de ações

O BofA vê o Ibovespa em 130 mil pontos no próximo ano, um acréscimo ao redor de 16% em relação ao patamar atual, puxado por perspectiva de recuperação dos lucros em 2021 e 2022 para setores cíclicos, que têm maior peso no índice – Materiais Básicos, Energia e Finanças.

Na América Latina, o mercado de ações brasileiro é o único com recomendação “acima da média do mercado”. O BofA está “marketweight” em México e Peru, “underweight” no mercado chileno e sem exposição a Argentina e Colômbia.

No caso do câmbio, o banco calcula o dólar a R$ 5,10 no término de 2021, abaixo dos R$ 5,23 de hoje (2). “Ficamos entre R$ 5,50 e R$ 6 por muito tempo, o risco agora é romper os R$ 5, mas apenas se o Brasil fizer a lição de casa fiscal e o exterior se mantiver favorável”, disse Beker.

Uma valorização mais acentuada do real ainda seguirá limitada, de acordo com Beker, pelo nível historicamente baixo da taxa de juros, que mantém a moeda brasileira atrás em termos de retornos na comparação com vários de seus principais pares.

Beker até projeta “normalização” da política monetária no ano que vem, com o Banco Central elevando a Selic para 3,25% até dezembro de 2021, frente os 2% atuais, num processo com início em alta de 0,25 ponto percentual em junho. “Mas se a gente estiver errado sobre o fiscal, a pressão será para subir antes disso”, ponderou o executivo.

O gradualismo no aumento de juros em 2021, no cenário-base do BofA, se deve à perspectiva de que o quadro inflacionário continuará benigno. Beker ainda estima que, em termos anuais, o IPCA deva continuar em ascensão até o primeiro e segundo trimestres de 2021, mas na sequência começará a recuar, fechando 2021 com acréscimo de 3,6%, ainda abaixo do centro da meta do ano que vem (3,75%).

Num contexto de inflação benigna e Selic em alta apenas gradativa, Beker avalia que o mercado de juros está com excesso de prêmio e que faz sentido posição vendida nos DIs janeiro 2022 e janeiro 2023. O DI janeiro 2022, por exemplo, está em 3,015% ao ano, mais de 100 pontos-base acima do CDI atual, de 1,90%.

No caso do PIB, o executivo do BofA ainda vê crescimento de 3% em 2021, depois de queda projetada de 4,1% neste ano. O BofA diz ainda não ver elementos para “ir além” na expectativa de expansão da economia e cita, por exemplo, chance de encerramento do coronavoucher, com impacto no consumo das famílias. “Então no começo do ano a atividade pode ter desafios”, disse.

Beker tem em seu cenário-base avanço do projeto de lei da autonomia do Banco Central, Lei de Falências, PEC emergencial, PEC dos fundos e “alguma coisa” da reforma tributária, com o Orçamento sendo aprovado também em 2021.

“O resumo da história é um cenário construtivo. Tem alguns riscos externos, principalmente o timing a vacina, a questão do comportamento das políticas nas economias globais e o risco doméstico principal que é o fiscal, mas as notícias mais recentes são encorajadoras”, finalizou o executivo. (Com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).