Senador apresenta projeto que estende auxílio emergencial até março de 2021

O projeto foi protocolado hoje (14), e Alessandro Vieira (Cidadania-SE) mantém conversas com outros parlamentares sobre a iniciativa.

Redação
Compartilhe esta publicação:
REUTERS/Ricardo Moraes
REUTERS/Ricardo Moraes

O projeto foi protocolado hoje (14), e Alessandro Vieira (Cidadania-SE) mantém conversas com outros parlamentares sobre a iniciativa

Acessibilidade


O senador Alessandro Vieira (Cidadania-SE) apresentou projeto de lei que propõe a extensão do auxílio emergencial e a prorrogação do estado de calamidade pública até 31 de março de 2021.

O projeto foi protocolado hoje (14), e Vieira mantém conversas com outros parlamentares sobre a iniciativa, mas ainda não há previsão para sua inclusão na pauta da Casa nesta que possivelmente será a última semana de funcionamento do Congresso neste ano.

Tanto o auxílio emergencial residual de R$ 300 quanto o estado de calamidade estão previstos para terminar em 31 de dezembro deste ano. O projeto de Vieira propõe que esse prazo seja prorrogado até março de 2021 diante dos prejuízos econômicos da crise do coronavírus e levando-se em conta que a pandemia continua e que a vacinação levará um tempo ainda indefinido para ser concluída.

“O fato é que, por conta da inércia do governo federal, simplesmente não teremos um programa nacional de vacinação em execução antes de março. É preciso fazer essa ponte para manter o mínimo de estabilidade social até lá”, disse o senador, que relatou proposta do primeiro auxílio emergencial concedido pelo governo, no valor de R$ 600.

Na quarta, parlamentares tentarão votar a Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) diretamente em plenário em sessão do Congresso, e uma vez resolvido esse assunto, devem voltar às suas bases para as festas de fim de ano.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Há movimentação nas duas Casas para que deputados e senadores façam uma autoconvocação e trabalhem no recesso parlamentar, com o objetivo principal de votar a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) Emergencial. O relator dessa proposta, senador Marcio Bittar (MDB-AC), no entanto, desistiu da apresentação formal de seu parecer e da discussão neste ano, o que pode dificultar uma discussão do tema logo em janeiro.

Aprovada pelo Congresso em março, a renda emergencial de R$ 600 mensais aos chamados vulneráveis durante a crise do coronavírus foi paga pelo governo federal por três meses.

Depois, em setembro, o Executivo editou uma medida provisória que prorrogou o auxílio até dezembro deste ano com parcelas reduzidas, no valor de R$ 300, mas ela ainda não chegou a ser votada.

A oposição no Congresso pressiona pela votação dessa MP, na esperança de, durante a discussão da proposta, aumentar esse valor. Governistas, no entanto, trabalham para que ela não vá a voto, o que os pouparia de defender um valor menor ou até mesmo ter que votar contra o desejo do Executivo. Dessa forma, por ter força de lei, a medida já surtiu os seus efeitos, prorrogando o pagamento do auxílio de R$ 300.

Publicamente, o presidente Jair Bolsonaro tem chamado a atenção para o impacto da ajuda nas contas públicas brasileiras e vem alertando que um dia esse suporte vai ter fim.

O governo chegou a ensaiar a criação de um novo programa de distribuição de renda permanente, com valores superiores aos do Bolsa Família, a partir do próximo ano. A ideia era inserir a proposta na PEC Emergencial mas, segundo Bittar, não foi possível incorporar o tema. (Com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Compartilhe esta publicação: