Bezos e Zuckerberg ficaram US$ 18 bilhões mais ricos

Reprodução/Forbes
Reprodução/Forbes

CEO da Amazon aumentou fortuna em US$ 10 bilhões e segue na liderança como o mais rico do mundo

A pessoa mais rica do mundo, Jeff Bezos, teve uma ótima semana. O CEO da Amazon acrescentou US$ 10 bilhões ao seu patrimônio, somando agora US$ 191,5 bilhões. Ele tem uma vantagem de US$ 8,3 bilhões sobre o CEO da Tesla, Elon Musk, que ocupou o topo da lista por um breve período neste mês, mas continua na vice-liderança, com patrimônio líquido de US$ 183,2 bilhões.

O incremento na fortuna de Bezos ao longo da semana foi, em parte, graças à saída de Donald Trump, um crítico constante da Amazon e do “Washington Post”, também de propriedade do bilionário, da presidência dos Estados Unidos.

LEIA MAIS: Jeff Bezos reassume o posto de mais rico do mundo

O presidente Joe Biden tomou posse na última quarta-feira (20), gerando uma alta nas ações de tecnologia com o otimismo em relação aos planos de estímulo e à vacina da Covid-19. A Amazon terminou a semana com alta de 6,1%, o Facebook ganhou 9,2% e a Alphabet, dona do Google, subiu 9,5%, superando os ganhos semanais da S&P e da Dow Jones Industrial Average de 2% e 0,5%, respectivamente.

No dia da posse, o executivo da Amazon Dave Clark enviou uma carta a Biden oferecendo recursos da empresa para ajudar a distribuir a vacina. “Estamos preparados para alavancar nossas operações, nossas tecnologias, capacidades de comunicação e experiências para auxiliar na imunização neste momento”, escreveu ele. Clark também aproveitou a oportunidade para defender a prioridade de vacinação dos 800 mil funcionários da Amazon, sendo a maioria trabalhadores essenciais da linha de frente.

O CEO do Facebook, Mark Zuckerberg, que acumula neste momento um patrimônio líquido de US$ 100,4 bilhões, ganhou US$ 7,9 bilhões esta semana, não apenas por conta do otimismo geral em torno da nova administração dos EUA, mas também devido ao aumento da confiança de Wall Street no gigante da mídia social. Daniel Salmon, analista da BMO Capital Markets, citou a força da plataforma de comércio eletrônico do Facebook e a expectativa de que a empresa enfrente menos obstáculos em seus negócios de segmentação de anúncios no futuro. Ele definiu uma meta de preço em US$ 325 por ação, cerca de 18% a mais do que hoje.

Os cofundadores do Google, Larry Page (US$ 83 bilhões) e Sergey Brin (US$ 80,6 bilhões) ganharam, respectivamente, US$ 6,6 bilhões e US$ 6,3 bilhões, com a alta das ações de tecnologia na última semana. Apesar disso, o gigante da internet não teve apenas boas notícias nos últimos dias. A empresa decidiu encerrar o Loon, seu esforço para levar a internet de alta velocidade a partes remotas do mundo usando balões. O Google também está precisando lidar com uma ação antitruste movida por 10 estados, que o acusa de se juntar ao Facebook para monopolizar o mercado de publicidade online. A companhia solicitou que o julgamento seja transferido do Texas para a Califórnia, onde o processo foi aberto. Se o pedido for aceito, a corporação poderá enfrentar um júri mais favorável à tecnologia.

As ações europeias também subiram na posse de Biden, alimentadas pela esperança de que o novo presidente reverta as relações tensas deixadas por Trump. A presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, chegou a tuitar, na quarta-feira (20), que “os Estados Unidos estão de volta”. Bernard Arnault, presidente do conglomerado de luxo LVMH e homem mais rico da Europa, ficou US$ 5,6 bilhões mais rico esta semana.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).