Indústria de veículos espera alta de 25% na produção em 2021

Huseyin Aldemir/Reuters
Huseyin Aldemir/Reuters

Para as vendas de novos, a expectativa é de aumento de 15%, para 2,37 milhões de unidades. Já a visão para as exportações envolve crescimento de 9%, para 353 mil unidades.

A indústria brasileira de veículos espera que a produção de carros comerciais leves, caminhões e ônibus em 2021 cresça 25%, para 2,52 milhões de unidades, previsão que o presidente da associação de montadoras, Anfavea, considerou como “conservadora”, diante das incertezas como as geradas pelos efeitos da pandemia.

Apesar do crescimento previsto, o volume projetado ainda representa uma ociosidade de cerca de 50%, uma vez que a capacidade nominal da indústria é de produção de 5 milhões de veículos por ano. Para as vendas de novos, a expectativa é de aumento de 15%, para 2,37 milhões de unidades. Já a visão para as exportações envolve crescimento de 9%, para 353 mil unidades.

LEIA MAIS: Tudo sobre finanças e o mercado de ações
“As estimativas são conservadoras… imaginamos que o Brasil vai crescer este ano, mas existem as incertezas e outras dificuldades”, afirmou o presidente da Anfavea, Luiz Carlos Moraes, em apresentação online hoje (8). A estimativa da Anfavea para o crescimento do Produto Interno Bruto do Brasil neste ano é de 3,5%, disse Moraes.

Ele citou como obstáculos ao setor a decisão do governo de São Paulo no final de 2020, que aumentou o Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) sobre as vendas de veículos novos e usados.
Segundo ele, o ICMS de veículos usados em São Paulo, em alguns casos, subiu 207%, o que pode impactar as vendas de novos, já que estes produtos são usados como parte do pagamento. Nos veículos novos, por sua vez, o ICMS a partir de 15 de janeiro será elevado de 12% para 13,3% e a partir de 1 de abril será incrementado para 14,5%, disse o presidente da Anfavea.

“A gente não imaginava que São Paulo fosse fazer uma proposição deste tipo. Isso afeta o mercado. É uma coisa que nos surpreende. Quero destacar nosso desapontamento com o governo do Estado de São Paulo”, disse Moraes. O presidente acrescentou que este não é momento de se fazer aumento de impostos no país, por ir contra a premissa da reforma tributária, a qual não prevê aumento na carga.

Em dezembro, a produção [de veículos] cresceu 22,8%, para 209.296 unidades. Ante novembro, houve queda de 12,1%. Já os emplacamentos caíram 7,1% na comparação anual, mas subiram 8,4% na relação mensal. O estoque no mês terminou em 96,8 mil veículos distribuídos entre pátios de montadoras e concessionários, volume equivalente para 12 dias de comercialização, o que é o menor nível da história do setor, segundo Moraes.

No ano de 2020, a produção caiu 31,6% para 2,01 milhões de veículos, enquanto as vendas recuaram de 26,2% para 2,06 milhões. O setor terminou 2020 com o fechamento de cerca de 5 mil postos de trabalho, com 120,5 mil posições. (com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).