Setor de serviços segue em crescimento no Brasil, mas não retoma as perdas da pandemia

REUTERS/Ricardo Moraes
REUTERS/Ricardo Moraes

No mês de novembro, o volume de serviços cresceu 2,6% em relação a novembro, informa o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE)

O setor de serviços brasileiro registrou o sexto mês seguido de ganhos no volume em novembro, mas caminhou para o final de 2020 ainda sem conseguir retornar aos níveis pré-pandemia, após ter sido o mais afetado pelas medidas de isolamento contra o coronavírus. O volume de serviços cresceu em novembro 2,6% em relação ao mês anterior, de acordo com os dados divulgados hoje (13), pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Apesar do sexto mês consecutivo de ganhos, acumulando alta de 19,2%, o setor de serviços brasileiros se aproximou do fim de 2020 ainda sem conseguir recuperar as perdas de 19,6% registradas entre fevereiro e maio, período que abrange o pico da pandemia.

Na comparação com novembro de 2019, houve queda de 4,8% no volume de serviços no Brasil, e o setor acumula ainda entre janeiro e novembro perdas de 8,3% frente a igual período de 2019.

LEIA MAIS: Tudo sobre finanças e o mercado de ações

“Atividades como: restaurantes, hotéis, serviços prestados à família de uma maneira geral e transporte de passageiros (aéreo, rodoviário ou metroviário) até mostraram melhoras, mas a necessidade de isolamento social ainda não permitiu o setor voltar ao patamar pré-pandemia”, explicou gerente da pesquisa no IBGE, Rodrigo Lobo.

Segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, a atividade de transportes cresceu em novembro pelo sétimo mês seguido e acumula ganho de 26,7% entre maio e novembro, mas ainda precisa avançar 5,4% para atingir o nível de fevereiro

O mês de novembro teve aumentos no volume de todas às cinco atividades pesquisadas na comparação com o mês anterior. Os destaques foram as altas de 2,4% dos transportes, serviços auxiliares aos transportes e correio e de 8,2% de serviços prestados às famílias. Ambas foram as mais afetadas pela pandemia.

“Embora o setor permaneça frágil devido à pandemia, nosso índice de difusão mostra que mais de 80% dele vem se recuperando em um ritmo significativo nos últimos seis meses – um número que vem crescendo lentamente nos últimos meses como reflexo da reabertura gradual da economia”, avaliou a economista da XP Lisandra Barbero, calculando
contração de 8,0% do volume de serviços em 2020.

Já os serviços prestados às famílias têm alta de 98,8% nos últimos sete meses, mas ainda precisam crescer 34,2% para retornar ao patamar de fevereiro.

Somente os serviços de informação, comunicação e outros serviços já superaram o nível de fevereiro, diante dos bons desempenhos dos segmentos de tecnologia da informação e dos serviços financeiros auxiliares, respectivamente.

“Esperamos que alguns do serviços mais impactados se recuperem conforme a vacinação em massa avance. No curto prazo, a recente aceleração nos novos casos do vírus, aceleração da inflação e retirada de alguns dos generosos programas de transferências fiscais podem moderar o ímpeto por trás da recuperação do setor de serviços”, avaliou Alberto Ramos, diretor de pesquisas econômicas para a América Latina no Goldman Sachs. (Com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).