IPO transforma fundador da Rede D’Or na 3ª pessoa mais rica do Brasil

Reprodução/Rede São Luiz
Reprodução/Rede São Luiz

Jorge Moll Filho pulou da 16ª posição do ranking publicado em abril de 2020 para a 3ª

Os últimos dois meses têm sido de muitas movimentações no pódio do ranking dos bilionários brasileiros. Após a morte de Joseph Safra, Jorge Paulo Lemann retornou à 1ª posição, seguido por Eduardo Saverin, cofundador do Facebook, e Marcel Herrmann Telles, sócio de Lemann na AB Inbev e na 3G Capital, que investe em empresas como Burger King e  Kraft Heinz.

A surpresa da vez é Jorge Moll Filho, de 76 anos: o bilionário do setor da saúde pulou da 16ª posição do ranking publicado em abril de 2020 para a 3ª, fechando o top 3 com Lemann e Saverin.

LEIA MAIS: Dulce Pugliese ultrapassa Luiza Trajano e se torna a mulher mais rica do Brasil pela primeira vez

O salto na fortuna de Moll Filho, cardiologista e fundador da Rede D’Or, é resultado da abertura de capital da companhia na bolsa de valores. Na quinta-feira, 10 de dezembro, após o grupo de hospitais precificar sua oferta inicial de ações a R$ 57,92, os papéis da companhia dispararam e fecharam em alta de 7,73%, cotados a R$ 62,40, o que movimentou R$ 11,39 bilhões (US$ 2,12 bilhões) na época. Os resultados fizeram com que a rede protagonizasse o maior IPO de uma companhia nacional desde 2013. Nos registros históricos da bolsa, a empresa está atrás apenas do Banco Santander e da BB Seguridade.

Para a Rede D’Or, a captação em bolsa tinha, desde o princípio, um destino muito certeiro. Os R$ 11,39 bilhões foram divididos em partes iguais: 50% para a construção de novos hospitais e expansão de unidades existentes e 50% para a aquisição de ativos que permitam o desenvolvimento de novas vertentes de negócios, como corretoras de seguros de saúde e clínicas oncológicas. Uma das líderes no mercado hospitalar, com 8% de participação, a empresa já atende cerca de 4,1 milhões de pacientes anualmente. A partir do IPO, o objetivo é impulsionar ainda mais esses números.

Quanto ao desempenho em bolsa, as ações chegaram ao patamar mais baixo em 7 de janeiro, a R$ 60,95 – 2,33% abaixo da cotação inicial. No decorrer do mês, com breves oscilações negativas, os papéis se recuperaram e fecharam o período em R$ 65,70, com valorização de 5,28% em relação à estreia e 1.522.800 em volume de negociação.

Ontem (2), o desempenho positivo das ações da Rede D’Or elevou a cotação dos papéis a um novo recorde, fechando a R$ 71 o que representa uma valorização de 3,42 % em relação ao preço final da sessão anterior e 13,78% desde a estreia (o volume negociado foi de 3.827.400 milhões). Como saldo, a fortuna de Moll Filho saltou para US$ 12,82 bilhões, um ganho de US$ 423 milhões (3,42%) em um único dia. O aumento do patrimônio do bilionário desde o IPO chega a 574,73% e o valor de mercado da companhia a R$ 137,92 bilhões.

Moll Filho estreou no ranking global dos bilionários da Forbes em 2014 com US$ 1,3 bilhão. Na época, o médico carioca era “apenas” o 57º mais rico do Brasil. Desde então, sua fortuna nunca tinha chegado a patamares de valorização percentual tão altos – o maior pico foi registrado em 2017, quando chegou a US$ 3,2 bilhões, aumento de 130% em relação ao primeiro ano.

O desempenho notável nos negócios do empresário começou com a inauguração da empresa de diagnósticos Cardiolab, no Rio de Janeiro, em 1977. Na sequência, o bilionário abriu unidades do laboratório Labs em seu estado de origem e, em 1998, inaugurou o primeiro Hospital D’Or na Barra da Tijuca, no Rio de Janeiro. Hoje, a rede hospitalar tem mais de 40 unidades em diferentes cidades brasileiras, o que inclui a marca São Luiz, comprada por Moll Filho em uma transação avaliada em R$ 1 bilhão e financiada pelo BTG Pactual por meio de debêntures conversíveis em ações.

Em 2010, o grupo D’Or vendeu a rede Labs para o Fleury em um negócio de R$ 1 bilhão. Cinco anos mais tarde, 8,3% da operação do grupo foi vendida para a Carlyle por R$ 1,75 bilhão.

VEJA TAMBÉM: Rede D’Or dispara em estreia na B3 após maior IPO desde 2013

Desde 2019, Moll Filho tem concentrado seus esforços na expansão da companhia por meio de aquisições. Neste mesmo ano, a empresa comprou 10% das ações da maior administradora de planos de saúde coletivos do Brasil, a Qualicorp. No ano seguinte, adquiriu o controle do Hospital São Carlos, de Fortaleza.

Com o bilionário entre os três mais ricos do Brasil, a nova configuração do topo fica com Jorge Paulo Lemann e seus US$ 18,6 bilhões isolado na 1ª posição; Eduardo Saverin na 2ª com US$ 14,9 bilhões; e Jorge Moll Filho, colado ao cofundador do Facebook, com US$ 12,82 bilhões.

Para a conversão dos valores, foi considerada a taxa de câmbio real-dólar de R$ 5,37, fixada no final do pregão de ontem (3).

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).