Serviços do Brasil terminam 2020 com perda histórica e abaixo do nível pré-pandemia

RicardoMoraes/Reuters
RicardoMoraes/Reuters

Índice apresentou queda de 0,2% na comparação mensal, e de 3,3% na anual

O volume de serviços no Brasil recuou em dezembro e interrompeu seis meses de ganhos, terminando o ano de 2020 com a maior perda da série histórica e abaixo dos níveis pré-pandemia diante do impacto das medidas de isolamento devido ao coronavírus em um setor dependente do contato social.

Atividade mais afetada pelas medidas de contenção ao coronavírus, o volume de serviços registrou em dezembro recuo de 0,2% na comparação com o mês anterior, de acordo com os dados divulgados hoje (11) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

LEIA MAIS: Tudo sobre finanças e o mercado de ações

Em relação a dezembro de 2019, houve de perda de 3,3%, 10° taxa negativa nessa base de comparação. Os resultados foram piores do que as expectativas em pesquisa da Reuters, que eram de uma alta de 0,4% na comparação mensal e de baixa de 2,6% na base anual.

Com isso, o ano de 2020 marcou o pior resultado para os serviços no Brasil da série histórica iniciada em 2012 nesse tipo de indicador, superando a retração de 5% em 2016 e após estabilidade em 2018 e ganho de 1,0% em 2019.

“É um segmento que depende do consumo presencial, e as restrições impostas o afetaram de forma diferenciada. Isso fez com que serviços, dentro dos grandes grupos da economia, tenha tido o pior desempenho”, afirmou o gerente da pesquisa, Rodrigo Lobo.

Além disso, o setor ainda se encontra 3,8% abaixo do patamar de fevereiro, quando as medidas de isolamento social para controle da pandemia ainda não haviam sido adotadas. E terminou o ano operando em um patamar equivalente a maio de 2018, quando ocorreu a greve de caminhoneiros, segundo o IBGE.

Além das medidas de isolamento e do aumento no número de mortes no país, o desemprego elevado também se apresenta como desafio para os empresários de serviços, bem como o fim do pagamento do auxílio emergencial no final do ano passado. De acordo com Lobo, indicadores antecedentes já apontam para redução dos serviços em janeiro devido ao aumento dos casos de coronavírus e das restrições.

“O mais importante para a retomada do setor de serviços é uma vacinação em massa da população, e é impossível dissociar a reação da questão sanitária. Isso vai tirar o receio das pessoas e aumentar a circulação delas, com maior consumo”, afirmou o gerente da pesquisa.

Números recordes

Em 2020, os setores que mais impactaram a queda são os ligados às atividades presenciais, como serviços prestados às famílias (-35,6%), os profissionais, administrativos e complementares (-11,4%) e os transportes (-7,7%), que apresentaram quedas recorde no período.

O único setor que teve resultados positivos em 2020 foi o de outros serviços, com alta de 6,7%, devido ao aumento das receitas das empresas que atuam nos segmentos de corretoras de títulos, valores mobiliários, mercados de administração de bolsas e mercados de balcão organizados.

“Com a queda recente da taxa de juros, famílias e empresas passaram a procurar outras formas de investimento alternativas à poupança e estão migrando para investimentos de renda fixa ou variável”, disse Lobo. Em dezembro, duas das cinco atividades pesquisadas registraram taxas negativas, os serviços prestados às famílias (-3,6%) e os transportes, serviços auxiliares ao transportes e correio (-0,7%).

Já o índice de atividades turísticas teve estabilidade em dezembro sobre o mês anterior, após registrar sete taxas positivas seguidas. O segmento de turismo ainda precisa avançar 42,9% para retomar ao patamar de fevereiro, de acordo com o IBGE. No acumulado do ano, a retração foi de 36,7%. (com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).