BofA eleva previsão para Selic ao fim do ano para 5%; vê taxa de 5,75% em 2022

Após elevação de 0,75% pelo Banco Central, a taxa básica de juros está agora em 2,75% ao ano

Redação
Compartilhe esta publicação:
Reprodução/Forbes
Reprodução/Forbes

Para o Banco Central, o crescimento do PIB garantiu uma recuperação no fim de 2020 e agora as expectativas de inflação estão acima da meta

Acessibilidade


O Bank of America elevou as previsões para a taxa Selic ao fim de 2021 e 2022, após o Banco Central surpreender ontem (17) com uma elevação de 0,75 ponto percentual na taxa básica de juros e sinalizar outro aumento na mesma magnitude na próxima reunião.

O BofA espera agora que o juro básico vá a 5% até o fim de dezembro, ante 4% do prognóstico anterior. Com o aumento que ocorreu na véspera, a Selic está agora em 2,75% ao ano.

LEIA TAMBÉM: Banco Central surpreende e eleva juros em 0,75 p.p., para 2,75% ao ano

Para 2022, o cálculo mudou de 5,25% para 5,75%.

“O BCB afirmou não ser mais necessário alto nível de estímulo monetário e, portanto, um ciclo parcial de normalização deve ocorrer”, disse o BofA em nota assinada por David Beker e Ana Madeira.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

“Segundo o BC, o crescimento do PIB teve uma recuperação consistente no fim de 2020 e as expectativas de inflação estão acima da meta no horizonte da política monetária”, acrescentaram.

Na véspera, o BC surpreendeu parte dos analistas ao elevar a Selic em 0,75 ponto percentual, para 2,75% ao ano, na primeira alta de juros em cerca de seis anos. Ainda assim, o falou em “processo de normalização parcial” da política monetária, sugerindo que a taxa não subirá a ponto de zerar o estímulo monetário neste ano. (Com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Compartilhe esta publicação: