Como a pandemia transformou os hábitos de consumo dos super-ricos

Reprodução/Forbes
Reprodução/Forbes

Em 2020, o investimento que mais foi valorizado no mundo da moda foram as bolsas de luxo

Javed Fiyaz tem cerca de 50 relógios, incluindo peças que antes pertenciam ao Sultão de Brunei e ao Príncipe Charles. “Coleciono alguns por paixão e às vezes por investimento”, diz ele.

É a parte da paixão que está valendo a pena. Um diamante cravejado de Richard Mille RM 15 que ele comprou por £ 300 mil (US$ 417 mil) em 2012 agora dobrou de valor. Um Patek Philippe Grand Complications Sky Moon já vale mais do que os US$ 2,4 milhões que Fiyaz pagou em 2019.

VEJA TAMBÉM: Como as marcas de luxo planejam se reconectar com consumidores

No geral, o preço dos relógios colecionáveis ​​aumentou 89% na última década, segundo uma nova pesquisa do Knight Frank Wealth Report. É parte de um amplo desejo de comprar artigos de luxo em segunda mão que cativou os super-ricos durante um ano em que os gastos habituais dessas pessoas foram reduzidos.

No período pré-pandemia, as pessoas optavam por investir em arte, na esperança de que aquela peça fosse valorizada. Mas a Covid-19 transformou as regras do investimento de luxo. Pela primeira vez em cinco anos, o valor da arte investível ficou negativo, o que forçou os ricos a procurar investimentos em lugares incomuns.

O investimento de luxo mais lucrativo de 2020 foram as bolsas. Segundo o Knight Frank, o preço das bolsas colecionáveis ​​aumentou 17% no ano passado. O aumento foi impulsionado pela venda de uma bolsa Hermes Himalaya Niloticus Crocodile Retourne Kelly 25 por US$ 437.330 em novembro, o que foi um recorde.

Em vez de ser um meio para os não tão ricos mostrarem status, a moda de segunda mão tornou-se um investimento lucrativo, ao superar a maioria dos mercados de ações. Esse fenômeno ficou ainda mais evidente, quando um par de tênis de Michael Jordan “desgastado pelos jogos” foi vendido em maio do ano passado por US$ 560 mil.

“Os clientes ficaram mais espertos e estão pensando nas compras de luxo como um investimento”, afirma Tracy DiNunzio, CEO do mercado de luxo Tradesy.

LEIA TAMBÉM: Conheça o melhor uísque do mundo, segundo o World Whiskies Awards 2021

2020 também foi um bom ano para as bebidas. O valor dos vinhos finos aumentou 13% durante um ano em que as vendas de todos os tipos de álcool dispararam.

Mas mesmo no nicho do mercado de bebidas, o desempenho superou a tendência geral. Os comerciantes de vinhos e destilados Justerini & Brooks relataram seu melhor mês de vendas de uísque escocês raro em maio. Embora o preço desse tipo de uísque tenha caído este ano, em um período de 10 anos a categoria ofuscou a maioria dos outros investimentos (com exceção do bitcoin) com aumento de 478%, segundo Knight Frank.

Assim como o bitcoin impulsionou o investimento em outras criptomoedas, investidores experientes agora estão procurando outras bebidas destiladas, como tequila e conhaque que podem aproveitar esse bom momento do uísque.

A nostalgia impulsiona compras

Esses investimentos de luxo continuarão a ter bom desempenho em 2021? Muitos esperam que a normalidade seja retomada assim que os leilões da vida real retornem.

“Nenhuma obra de arte quebrou a barreira dos US$ 100 milhões em 2020”, diz Knight Frank. Existem poucos bilionários que gastariam tanto dinheiro sem inspecionar primeiro.

Como resultado, as principais casas de leilão adiaram suas maiores vendas até que os lances presenciais pudessem ser retomados. Obras de arte como a série “Triptych” de Francis Bacon, que foi vendida por US$ 84,5 milhões em dezembro, estabeleceram um recorde durante um ano em que obras de poucos grandes mestres ou impressionistas foram colocadas à venda.

VEJA MAIS: Retrato raro de Botticelli atinge recorde de US$ 92,2 milhões em leilão

Existem outras teorias que apontam para razões psicológicas mais profundas que mudaram fundamentalmente a maneira como os super-ricos gastam. “A nostalgia causa bem-estar”, afirma um artigo recente de Talor A. FioRito e Clay Routledge publicado na “Frontiers”. O estudo sobre a nostalgia mostra que “estados afetivos negativos, como tristeza, solidão e falta de sentido, desencadeiam nostalgia e a nostalgia, por sua vez, aumenta o bem-estar, os sentimentos de conexão social e as percepções de sentido na vida.”

Se a nostalgia ajuda a combater a tristeza e a solidão, então ela nunca foi mais importante do que agora e as compras de luxo também podem ter um papel importante. “Dado o impacto que a Covid-19 teve na forma como vivemos, trabalhamos e fazemos compras, não é surpreendente que o isolamento imposto durante a pandemia tenha alimentado compras de luxo impulsionadas pela nostalgia”, explica Effie Datson, chefe global do Family Office no banco Barclays.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).