Foxconn tem queda no lucro e alerta para escassez de materiais

A companhia divulgou hoje (30) os números do quarto trimestre e apontou os impactos da pandemia na produção.

Redação
Compartilhe esta publicação:
Brian Snyder/Reuters
Brian Snyder/Reuters

A companhia taiuanesa teve lucro líquido de US$1,61 bilhão de outubro a dezembro, queda de 4% em relação a um ano antes

Acessibilidade


A Foxconn, fornecedora da Apple, divulgou hoje (30) queda no lucro do quarto trimestre após ser impactada por efeitos da pandemia. A companhia alertou para a “escassez de materiais” gerada por oferta limitada de chips.

A companhia taiuanesa, maior fabricante de produtos eletrônicos do mundo em regime de terceirização, teve lucro líquido de 45,97 bilhões de dólares de Taiwan (US$1,61 bilhão) de outubro a dezembro, queda de 4% em relação a um ano antes. Analistas, em média, esperavam resultado positivo de 50,89 bilhões de dólares de Taiwan, segundo dados da Refinitiv.

LEIA MAIS: Foxconn negocia parceria com vietnamita VinFast para carros autônomos

Apesar da queda no lucro, a receita do período subiu 15%, puxada por crescimento nas vendas de smartphones e outros produtos eletrônicos de consumo.

O presidente do conselho de administração da Foxconn, Liu Young-way, afirmou que a companhia está acompanhando de perto a falta de materiais na cadeia de suprimentos e que isso poderia afetar menos de 10% das encomendas dos clientes.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

“A pandemia e a escassez de materiais podem impactar nossa performance adiante. É por isso que estamos sendo cautelosos”, disse o executivo. Ele acrescentou que espera que o problema de falta de componentes possa durar até o próximo ano. (Com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Compartilhe esta publicação: