Leilão da Cedae pode gerar ágio de até 40%, estima Miccione

Iamfat42/Getty Images
Iamfat42/Getty Images

Diversas empresas nacionais e internacionais do setor de saneamento, grupos financeiros e empresas de engenharia estão interessadas no leilão da Cedae

O leilão de partes da Companhia Estadual de Águas e Esgotos do Rio de Janeiro (Cedae) pode gerar um ágio de 30% a 40% sobre o valor da outorga mínima de 10,6 bilhões de reais, estimou hoje (22) o secretário da Casa Civil do Estado, Nicola Miccione.

Segundo ele, mais de 1.200 visitas técnicas às instalações da Cedae já foram realizadas e mais de 2 mil estão agendadas, apesar da pandemia de Covid-19.

LEIA TAMBÉM: Reforço a colchão de liquidez do Tesouro com PEC Emergencial pode chegar a R$ 200 bilhões

O Estado estima que no momento há ao menos de 10 a 12 grupos interessados no certame, formados por empresas nacionais e internacionais do setor de saneamento, grupos financeiros e empresas de engenharia.

“O leilão tem tido interesse de grandes empresas a achamos até que o ágio deve girar em torno de 30% a 40%”, afirmou Miccione a jornalistas.

O leilão está marcado para acontecer no fim de abril e não há risco de ser adiado por conta da pandemia, afirmou o secretário. “Não temos pedido ou questionamento nesse sentido (de adiamento)” afirmou.

O edital da Cedae prevê a concessão dos serviços de distribuição e coleta e tratamento de esgoto por 35 anos e investimentos de mais de 30 bilhões de reais. A empresa seguirá estatal nos segmentos de captação e tratamento da água. (Com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).