Lucro da JBS dispara a R$ 4 bilhões no 4º trimestre

A processadora de carnes JBS fechou o quarto trimestre com lucro líquido de R$ 4 bilhões, um salto de 65% em relação ao mesmo período de 2019, impulsionado por exportações aquecidas para a China, consumo firme tanto no Brasil quanto nos Estados Unidos e auxílio da variação cambial.

A dona de marcas como Swift e Friboi, teve lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda) ajustado de R$ 7 bilhões no período, aumento de 24,1% no ano a ano.

LEIA MAIS: JBS visa zerar balanço de emissões de gases do efeito estufa até 2040

Analistas, em média, esperavam que a JBS tivesse Ebitda de R$ 6,63 bilhões no quarto trimestre, segundo dados da Refinitiv.

A JBS ainda registrou uma receita líquida consolidada de R$ 76,1 bilhões no trimestre, o que representa um aumento de 33,1% no comparativo anual, com todas as unidades de negócios registrando crescimento na receita em reais.

No período, cerca de 75% das vendas globais da JBS foram realizadas nos mercados domésticos em que a companhia atua e 25% por meio de exportações.

A partir do Brasil, as vendas de carne bovina in natura, que corresponderam a 84% das exportações desta unidade de negócios, cresceram em volume quanto em preços, em 3,2% e 19,8%, respectivamente. Os destaques foram a China e Hong Kong, que tiveram aumento de cerca de 60% na receita de vendas no período.

A JBS propôs pagamento de dividendos de R$ 1 por ação, equivalente ao recorde de R$ 2,5 bilhões, para 2021.

DIVISÕES

No acumulado do ano, o lucro líquido foi de R$ 4,6 bilhões, queda de 24,2% ante 2019, enquanto o Ebitda ajustado somou R$ 29,6 bilhões, alta de 48,7%. A receita líquida atingiu R$ 270,2 bilhões, avanço de 32,1% no ano a ano. A JBS ainda informou que a geração de caixa livre atingiu R$ 17,8 bilhões, um salto de 87,3%.

VEJA TAMBÉM: JBS capta R$ 1,9 bilhão em CRA

“O ano passado todo foi com resultado forte. Com dólar mais valorizado, temos resultado maior quando se traduz em reais, mas (também) foi um bom resultado operacional”, afirmou à Reuters o CFO global da JBS, Guilherme Cavalcanti.

Ele destacou que os negócios do Brasil tiveram a Seara como destaque e nas operações norte-americanas o desempenho operacional foi considerado positivo, resultado também apoiado pelo efeito da variação cambial.

No quarto trimestre, a receita líquida da Seara atingiu R$ 7,5 bilhões, alta de 31,8%. A da JBS Brasil somou R$ 13,39 bilhões, aumento de 39,9%. Nos Estados Unidos, a JBS USA e a JBS Pork tiveram receitas de R$ 30,28 bilhões e R$ 9,3 bilhões, respectivamente, com avanços respectivos de 26,9% e 47,5%.

Quanto ao Ebitda ajustado das unidades no trimestre, Pilgrim’s Pride, Seara e JBS Brasil, tiveram altas respectivas de 53,5%, 50,8% e 41,2%.

A companhia ainda encerrou 2020 com alavancagem de 1,58 vez em dólares e de 1,56 vez em reais, medida pela relação entre Ebitda ajustado e dívida líquida.

“Nossa meta é ficar entre 2 e 3 vezes, estamos abaixo disso e com essa alavancagem baixa a gente tem capacidade de fazer mais aquisições e remunerar melhor o acionista”, disse o executivo.

E TAMBÉM: JBS irá dobrar capacidade da Seara até 2024, diz presidente

Sem detalhar sobre oportunidades de aquisições, ele disse que a empresa está sempre olhando ativos no mercado ao redor do mundo.

O executivo também lembrou que já foi retomado o projeto de listagem de ativos nos Estados Unidos. “A questão já não é mais se vamos fazer, mas sim quando”, afirmou.

CUSTOS E MARGENS

Do ponto de vista de custos, Cavalcanti lembrou que as despesas com grãos, como o milho utilizado na ração animal, segue elevada, assim como o valor da arroba bovina no Brasil, o que exige a adoção de estratégias.

“Em R$ 310 a arroba, isso tem impacto de compressão de margem e tem várias estratégias para lidar com isso, uma delas é produto de valor agregado, (onde) consegue diferenciar um pouco e tentar compensar parte desse aumento. Mas o que realmente compensa esses custos é a exportação.”

Ele disse que metade das receitas da companhia no Brasil é exportação e como a demanda por proteína no mundo, principalmente Ásia e China, está alta, as vendas externas funcionam como um mitigador desse efeito de custos.

O executivo também disse que no quarto trimestre o avanço da receita no Brasil contou com uma parcela de reajuste em preços, algo que pode não acontecer neste momento. “De lá pra cá, o preço do boi aumentou mas o mercado interno começa a ficar mais desafiador para aumentar preço”, admitiu.

Para o curto prazo, ele acredita que a tendência é continuar com custo pressionado, seja por conta do câmbio, pelos grãos ou pelo pecuarista que acaba retendo o gado, mas em algum momento este ciclo da pecuária deve mudar. (Com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).