Senado dos EUA aprova projeto de alívio ao coronavírus em US$ 1,9 tri

Michael Duva / GettyImages
Michael Duva / GettyImages

O projeto final inclui US$ 400 bilhões em pagamento único de US$ 1,4 mil à maioria dos norte-americanos, US$ 300 por semana em auxílio-desemprego

O Senado dos Estados Unidos aprovou hoje (6) o plano de alívio do presidente Joe Biden contra os efeitos do coronavírus no valor de US$ 1,9 trilhão, após uma sessão que durou a noite toda em que os democratas se desentenderam sobre o auxílio-desemprego e a minoria republicana não conseguiu incluir algumas emendas.

O projeto final inclui US$ 400 bilhões em pagamento único de US$ 1,4 mil à maioria dos norte-americanos, US$ 300 por semana em auxílio-desemprego ampliado para as 9,5 milhões de pessoas que ficaram sem trabalho na crise e US$ 350 bilhões em ajuda a governos estaduais e locais com problemas orçamentários.

O Senado aprovou por 50 a 49, sem nenhum republicano votando a favor, o que será um dos maiores pacotes de estímulo na história dos EUA. A partir de agora, o projeto precisa voltar à Câmara dos Deputados, que aprovou uma versão ligeiramente diferente há uma semana.

LEIA MAIS: Tudo sobre finanças e o mercado de ações

O impasse dentro do Partido Democrata sobre o auxílio-desemprego e o esforço dos republicanos em apresentar emendas a um projeto (que pesquisas mostram ser popular entre os eleitores), ilustram a dificuldade que Biden terá em aprovar outras políticas.

O Senado bateu o recorde de maior tempo de votação, 11 horas e 50 minutos. Os votos foram demorados, pois, os democratas tentavam negociar um meio-termo do auxílio-desemprego para satisfazer centristas, como o senador Joe Manchin, que alegava que o pacote iria superaquecer a economia norte-americana.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).