Venda da fabricante alemã de sandálias Birkenstock faz dois novos bilionários

Reprodução/Forbes
Reprodução/Forbes

Os dois herdeiros da empresa, de 250 anos, os irmãos Alex e Christian Birkenstock, valem cerca de US$ 1,7 bilhão cada, após abrirem mão do controle da empresa familiar

Dois herdeiros de uma das marcas de calçados mais conhecidas da Alemanha emergiram como bilionários depois de concordar em vender uma participação majoritária na Birkenstock para um grupo de private equity apoiado pela terceira pessoa mais rica do mundo.

Os irmãos Alex e Christian Birkenstock valem cerca de US$ 1,7 bilhão cada, com base no valor de US$ 4,87 bilhões implícito na venda de até 70% do negócio para o L Catterton, um fundo controlado pelo bilionário executivo-chefe da LVMH, Bernard Arnault, e a holding da família, Financière Agache.

LEIA TAMBÉM: Como a pandemia transformou os hábitos de consumo dos super-ricos

O negócio foi confirmado pela empresa na semana passada, que disse que os irmãos, que têm participações iguais, venderão mais da metade da empresa e permanecerão como acionistas minoritários assim que a venda for concluída. O jornal alemão “Der Spiegel” informou que a negociação dos irmãos vai de 60% a 70%. Um porta-voz se recusou a revelar detalhes da transação.

Nenhum dos irmãos tem muito a ver com os negócios atualmente. Alex Birkenstock, 52, supostamente passou um tempo acumulando propriedades em cidades como Miami e Nova York e desenvolvendo uma grande casa no Lago Tegernsee, uma cidade spa no sul da Alemanha, que inclui um estacionamento subterrâneo de dois andares com 20 vagas. Christian, 48, mora a horas de distância da sede da empresa. Um terceiro irmão, Stephan, vendeu sua participação em 2013.

As sandálias – favoritas entre os hippies e avós de todo o mundo – são feitas pela família há quase 250 anos. Os registros da igreja da cidade alemã de Langen-Bergheim identificam Johann Adam Birkenstock, em 1774, como um “sujeito e sapateiro” cujo tataraneto Konrad abriu duas lojas de calçados nas proximidades de Frankfurt e começou a fabricar e vender palmilhas flexíveis. Os arcos eram contornados, em vez de planos, o que fornecia suporte adicional.

A demanda pelos sapatos era tão grande que ele se mudou para uma fábrica muito maior em 1925 para aumentar a produção. Seu filho, Carl, ingressou na empresa ainda adolescente e se tornou uma autoridade líder nos círculos de podologia, lançando cursos de treinamento e escrevendo um livro sobre o que era necessário para criar calçados confortáveis e promover um movimento saudável.

A empresa começou a fabricar suas sandálias de marca registrada na década de 1960, com o filho de Carl Birkenstock, Karl. O primeiro modelo, denominado Madrid, apresentava uma palmilha profunda e flexível feita de cortiça e látex e era anunciado como um calçado que podia ser usado durante o exercício. Eles começaram a vender nos EUA em 1966, depois que um cliente que usava os sapatos para ajudar a aliviar a dor no pé começou a distribuí-los em lojas de produtos naturais.

Os três irmãos assumiram o controle do pai em 2002 e não foram bem. Depois de várias décadas sob o comando de um patriarca familiar singular e obstinado, cada irmão tinha visão diferentes para a empresa e lutava para gerenciar dezenas de subsidiárias concorrentes que o pai havia criado para maximizar a eficiência na realização de certas funções, como fabricação e distribuição.

VEJA MAIS: Magazine Luiza conclui aquisição de plataforma online de varejo VipCommerce

O drama familiar aumentou com a ex-esposa de Christian, Susanne, lançando uma marca de calçados rival em 2003, após 16 anos de casamento e dois filhos. Chamado de Beautystep, ele foi comercializado como um calçado desenhado por Susanne Birkenstock e deveria fazer o usuário se sentir como se estivesse caminhando na praia, projetado para alongar os músculos das pernas e promover a circulação sanguínea. Uma terrível batalha legal se seguiu, com um tribunal finalmente decidindo que ela poderia vender seus sapatos, desde que não exibisse de forma proeminente o sobrenome da família.

Em 2013, os irmãos decidiram recuar. Stephan Birkenstock vendeu sua participação para seus dois irmãos e provavelmente embolsou centenas de milhões de dólares, com base nos relatórios financeiros da empresa para empresas similares de capital aberto na época. Alex e Christian contrataram Oliver Reichert para dirigir o negócio após um encontro casual – Christian Birkenstock supostamente conheceu Reichert depois que seu negociante de arte o apresentou enquanto entregava algumas pinturas e os três acabaram tomando cerveja. Reichert, que passara a década anterior em um canal de televisão esportivo alemão, não tinha experiência na indústria de calçados. Seu principal ponto de referência: ele usava Birkenstocks quando criança. Para ajudar a administrar a empresa, o funcionário de longa data Markus Bensberg foi nomeado coCEO.

A nova equipe de gestão rapidamente dispensou as 38 entidades separadas da empresa em favor de uma estrutura mais simplificada. Eles expandiram a produção, contrataram mais vendedores e começaram a oferecer os sapatos desajeitados em cores e estilos mais ousados, o que ajudou a torná-los um sucesso entre as celebridades e os jovens da geração do milênio. As vendas aumentaram dois dígitos a cada ano, triplicando para US$ 870 milhões (€ 721 milhões) em 2019.

Hoje, Birkenstocks são vendidos em mais de 100 países e a empresa emprega 4.300 pessoas em todo o mundo. Vendeu quase 24 milhões de pares em 2019.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).