Ant Group se reestrutura como holding financeira após pressão do banco central chinês

Aly Song/Reuters
Aly Song/Reuters

Pressão de autoridades chinesas está crescendo contra a “economia de plataforma”

A Ant Group se reestruturará como uma holding financeira, disse o banco central da China hoje (12), depois que o grupo financeiro teve IPO de US$ 37 bilhões cancelado no ano passado após pressão de autoridades do país.

O anúncio foi feito dois dias após a gigante do comércio eletrônico Alibaba, da qual a Ant é afiliada, ser multada pela China em US$ 2,75 bilhões, em meio a um aperto de controles no país sobre a “economia de plataforma”.

LEIA TAMBÉM: China aplica multa recorde de US$ 2,75 bilhões ao Alibaba por violações de regras antimonopólio

Segundo os termos do acordo, a Ant se reestruturará como uma holding financeira, um movimento que, junto com outras restrições anunciadas nesta segunda-feira, deve conter sua lucratividade e avaliação (valuation).

“A Ant Group atribui grande importância à seriedade da retificação”, disse a empresa em um comunicado, acrescentando que planeja abrir um negócio de relatórios de crédito pessoal e incorporar seus dois principais negócios de crédito em sua empresa de financiamento ao consumidor.

O banco central chinês disse que sob um “plano de reestruturação abrangente e viável” a Ant cortará a ligação “imprópria” entre o serviço de pagamentos AliPay, a empresa de cartão de crédito virtual Jiebei e a unidade de crédito ao consumidor Huabei.

O banco central da China também pediu à Ant que rompesse seu “monopólio da informação e cumprisse estritamente as exigências da regulamentação de negócios de informações de crédito”.

A empresa, parte do vasto império de negócios fundado pelo bilionário Jack Ma, fez acordo com as autoridades da China para melhorar a governança corporativa e “retificar atividades financeiras ilegais em crédito, seguro e gestão de patrimônio”, disse o banco central.

O BC chinês disse que também pediu à Ant para controlar a alavancagem e riscos de produto, controlar o risco de liquidez de seus principais produtos de fundos e “reduzir ativamente” o tamanho do enorme fundo Yu’eBao. (Com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).