Cabify encerra operação no Brasil por causa de efeitos da pandemia de Covid-19

Jon Nazca/Reuters
Jon Nazca/Reuters

A demanda global de viagens da empresa, em média, se recuperou em 75% até o final de 2020

O aplicativo de mobilidade Cabify encerrará seus serviços no Brasil a partir 14 de junho deste ano, destacando que o mercado brasileiro ainda é muito afetado pela grave situação sanitária do país e a crise sócio-econômica local causada pela Covid-19.

“Este contexto dificulta a criação de valor”, afirmou em comunicado hoje (23), levando a empresa a parar sua operação no país.

LEIA MAIS: Tudo sobre finanças e o mercado de ações

A Cabify afirmou que todas as cidades da América Latina e da Espanha em que atua mostram bons índices de recuperação em comparação com o nível de atividade anterior à pandemia.

A demanda global de viagens da Cabify, em média, se recuperou em 75% até o final de 2020, acrescentou, citando que, em alguns mercados, 100% da demanda foi reativada durante os primeiros meses de 2021.

Fundada em 2011, em Madri, a Cabify chegou ao Brasil em 2016 e atualmente está presente na Argentina, Chile, Colômbia, Equador, Espanha, México, Peru e Uruguai.

A companhia disse que os motoristas parceiros, passageiros e empresas que utilizam seus serviços no país foram devidamente informados, sem dar mais detalhes sobre o número de motoristas ou usuários cadastrados.

No total, a empresa tem mais de 33 milhões de usuários registrados, mais de 400.000 motoristas parceiros e 65.000 empresas como clientes registrados em sua divisão de mobilidade corporativa. (Com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).