Ibovespa sobe quase 3% na semana com otimismo global e máximas em Wall Street

O Ibovespa terminou o dia em alta de 0,34% aos 121.113 mil pontos, na esteira de uma semana positiva para os ativos de risco globais. Os sinais de uma forte recuperação nas economias globais e o início da temporada de balanços corporativos nos Estados Unidos deram fôlego ao mercado de ações. Os ganhos no índice brasileiro, no entanto, foram limitados pelas incertezas quanto ao futuro do orçamento de 2021 e pelos ruídos políticos. Na semana, o Ibovespa valorizou 2,9%.

O dilema em torno do orçamento e impactos da CPI do coronavírus nas negociações do texto seguem como foco de preocupação dos investidores. O governo trabalha com a hipótese de veto parcial do orçamento e envio de um projeto de lei para recompor as despesas obrigatórias. O presidente Jair Bolsonaro tem até o próximo dia 22 para vetar ou sancionar o orçamento.

“O Brasil nos últimos dias foi beneficiado pelo ambiente global melhor, mesmo sem muitas notícias domésticas boas em relação ao orçamento de 2021”, afirmou o economista-chefe da SulAmérica Investimentos, Newton Rosa.

A Lojas Renner (LREN3) capitaneou as altas na sessão de hoje, com elevação de 11%, após divulgar que avalia realizar uma oferta primária de ações com esforços restritos e que já engajou assessores financeiros. O último pregão da semana foi ainda influenciado pelo vencimento de opções sobre ações na bolsa paulista na segunda-feira (19). A B3 também divulgou hoje a segunda prévia do Ibovespa que vai vigorar de 3 de maio a 3 de setembro, mantendo a entrada de Locaweb e incluindo Banco Inter Unit.

O dólar emendou a quarta queda consecutiva e fechou no menor patamar em uma semana nesta sexta-feira, perdendo 0,71% e negociado a R$ 5,58 na venda, com o real entre os melhores desempenhos ao fim de um pregão de alívio para os mercados brasileiros, enquanto investidores acompanhavam o ambiente externo benigno e o noticiário político local.

“Os mercados estão mostrando tendência a acreditar que Bolsonaro vai vetar parcialmente (o Orçamento)”, disse Marcos Weigt, chefe de tesouraria do Travelex Bank. Para ele, caso haja uma resolução das dúvidas nessa frente, pode haver um espaço maior de recuperação para o real, já que o maior fator de pressão para a moeda doméstica no momento é a incerteza fiscal.

No exterior, as ações europeias terminaram em máxima recorde nesta sexta-feira, completando a sétima semana consecutiva de ganhos, após fortes dados dos Estados Unidos e da China estimularem otimismo sobre uma rápida recuperação global, enquanto o balanço positivo da alemã Daimler impulsionou ações das montadoras.

O mercado alemão fechou em máxima histórica, com o índice DAX subindo 1,34% aos 15.459 pontos, enquanto o londrino encerrou no maior patamar em mais de um ano: o índice Financial Times avançou 0,52% aos 7.019 pontos.

Na semana, a robusta recuperação nas vendas do varejo norte-americano e os fortes lucros dos bancos na primeira temporada de balanços de 2021 em Wall Street levaram o índice Dow Jones e o S&P 500 a máximas históricas, acumulando em cinco pregões ganhos de 1,18% e 1,37%, respectivamente.

As vendas do varejo norte-americano cresceram 9,8% no mês passado, informou o Departamento do Comércio ontem, impulsionadas pela última rodada de pagamentos diretos às famílias enviado pela Casa Branca.

Hoje, o Morgan Stanley encerrou a participação dos bancos na temporada de resultados com lucro recorde no primeiro trimestre, para US$ 4,1 bilhões (US$ 2,19 por ação), apesar do impacto negativo de US$ 911 milhões causado pela Archegos Capital no mês passado. Entre os resultados divulgados na semana estão ainda JP Morgan, Bank of American, Citigroup e Goldman Sachs.

No fechamento de hoje, o Dow Dow Jones avançou 0,48% aos 34.200 pontos, o S&P 500 valorizou 0,36% aos 4.185 pontos e o Nasdaq fechou em alta de 0,10% aos 14.052 pontos.

Na Ásia, a recuperação econômica da China acelerou com força no primeiro trimestre de 2021, marcando crescimento recorde de 18,3% em relação à forte queda do ano anterior devido ao coronavírus. O avanço do PIB chinês, no entanto, veio abaixo das expectativas do mercado, que projetava crescimento de 19,2%.

Nos indicadores, as vendas no varejo da China dispararam 34,2% em março sobre o mesmo período do ano anterior, superando a expectativa de ganho de 28,0% e o salto de 33,8% visto nos dois primeiros meses do ano. A produção industrial cresceu 14,1% em março sobre o ano anterior, após salto de 35,1% em janeiro-fevereiro e atrás da projeção de economistas de 17,2%.

As ações na China fecharam em alta hoje, impulsionadas pelo resultado do PIB trimestral, embora as preocupações persistentes com o aperto da política monetária tenham colaborado para um recuo na semana. O índice CSI300, que reúne as maiores companhias listadas em Xangai e Shenzhen, avançou 0,35% aos 4.966 pontos. No acumulado da semana, o CSI300 caiu 1,4%. (Com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).