Mesmo com inflação, SP é uma das cidades mais baratas para consumidores de luxo

Relatório anual do banco suíço Julius Baer analisou 18 serviços e produtos em 25 cidades do mundo; veja o ranking .

Rebecca Silva
Compartilhe esta publicação:
Fandrade/Getty Images
Fandrade/Getty Images

São Paulo ocupa o 21º lugar no ranking das cidades mais caras, segundo o relatório Julius Baer 2021

Acessibilidade


A inflação que impacta o dia a dia do brasileiro, desde reajustes no aluguel (IGP-M com alta de 31,1% nos últimos 12 meses) ao preço dos alimentos, não foi sentida pelos consumidores de luxo, segundo o relatório Julius Baer 2021, divulgado hoje (9). Neste ano, São Paulo ocupa o 21º lugar no ranking das cidades mais caras, de 25 localidades analisadas.

Esteban Polidura, diretor de consultoria e produtos para as Américas da companhia, afirma que a discrepância entre o resultado do relatório e o que é sentido pela população diariamente se dá por dois motivos: a escolha dos itens avaliados e a conversão para o dólar. “Nosso estudo analisa 10 produtos e oito serviços completamente conectados com o segmento de luxo, que opera com outro tipo de inflação. Além disso, nosso relatório é baseado em dólares americanos, então todas as moedas são convertidas.” Com a forte desvalorização do real ante o dólar, a maior entre as cidades do ranking (38%), mesmo o que poderia pesar no bolso para os brasileiros ainda não chegaria perto dos preços praticados em outros países.

LEIA MAIS: 10 cidades do mundo que concentram o maior número de bilionários

Por causa da pandemia, a cesta de produtos avaliada pelo banco suíço anualmente precisou passar por alterações para refletir o comportamento do consumo em 2020. Festa de casamento, piano, serviços de beleza e personal trainers saíram da lista composta por 18 itens. No lugar, entraram bicicletas, pacote tecnológico (smartphone, tablet e computador), esteiras e plano de saúde. São Paulo é a cidade mais cara para se comprar bicicletas e tecnologia.

Para o Julius Baer, apesar da instabilidade atual da economia brasileira, o futuro aponta para um cenário otimista. “Alguns fatores não ajudam a deixar o mercado mais calmo. Atualmente, nossa visão é neutra e acreditamos que o consumo gradualmente retornará. Em termos de inflação, acreditamos em algo em torno de 4,5% para 2021 e uma retomada para o índice normal de 3%. Esperamos crescimento de 4% para este ano”, aponta Polidura.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

O continente asiático apresentou forte performance no relatório deste ano. Os países lidaram de forma mais ágil e eficiente com a pandemia e, como resultado, suas economias sofreram menos. A China foi a única grande economia mundial a crescer no ano passado. A região abriga as três cidades mais caras do mundo: Xangai, Hong Kong e Tóquio.

Para a instituição, a pandemia não remodelou o hábito de consumo de luxo, mas acelerou uma tendência que já vinha sendo observada desde 2019: o gasto mais consciente. As incertezas sobre o futuro e as mudanças nas prioridades trazidas pela Covid-19 intensificaram o hábito de consumir de forma mais ética e sustentável, preocupada com os rastros que deixamos no mundo.

Polidura afirma que a tendência é forte entre os consumidores de luxo da América Latina. Para 80% dos entrevistados, é aceitável pagar mais por um produto ou serviço, desde que haja comprovação de que ele seja, de fato, sustentável e ecofriendly. “Não será surpreendente se o Brasil e outros países da América Latina tomarem a frente na questão da sustentabilidade. O mercado plant based e orgânico é bom para esses países produtores.”

No relatório deste ano, o Julius Baer aponta Xangai como a cidade mais cara do mundo, tomando o primeiro lugar de Hong Kong. A cidade mais barata é Joanesburgo. As localidades avaliadas pelo banco suíço são escolhidas para refletir a maioria dos investidores e clientes da instituição, de forma que o mercado de luxo também seja significativo para a economia local. Os dados foram reunidos entre julho e setembro de 2020 e os valores foram convertidos para dólar.

Veja, na galeria de fotos abaixo, os itens da cesta de produtos avaliados pelo Julius Baer e onde os preços praticados são mais caros e baratos:

  • Bicicleta

    Cidade mais cara: São Paulo
    Cidade mais barata: Mumbai

    Maskot/Getty Images
  • Carro

    Cidade mais cara: Singapura
    Cidade mais barata: Miami

    Baseado no preço do modelo superior elétrico ou híbrido da BMW disponível, com valor divulgado pela fabricante.

    Marin Thomas/Getty Images
  • Joias

    Cidade mais cara: São Paulo
    Cidade mais barata: Mumbai

    100/Getty Images
  • Bolsas femininas

    Cidade mais cara: Manila
    Cidade mais barata: Moscou

    Grosescu Alberto Mihai/Getty Images
  • Sapatos femininos

    Cidade mais cara: Bangcoc
    Cidade mais barata: Moscou

    Michael Blann/Getty Images
  • Ternos masculinos

    Cidade mais cara: Manila
    Cidade mais barata: Vancouver

    Tom Werner/Getty Images
  • Cidade mais cara: Mônaco
    Cidade mais barata: Joanesburgo

    Baseado no preço médio por metro quadrado de três propriedades de luxo, de acordo com a agência imobiliária Knight Frank.

    Shutter Worx/Getty Images
  • Pacote tecnológico

    Cidade mais cara: São Paulo
    Cidade mais barata: Jacarta

    Composto por smartphone, tablet e computador.

    d3sign/Getty Images
  • Esteira

    Cidade mais cara: Singapura
    Cidade mais barata: Cidade do México

    Ljupco/Getty Images
  • Relógio

    Cidade mais cara: São Paulo
    Cidade mais barata: Joanesburgo

    Alexey Shatrov/Getty Images
  • Uísque

    Cidade mais cara: Manila
    Cidade mais barata: Moscou

    wirat gasem/Getty Images
  • Vinho

    Cidade mais cara: Mumbai
    Cidade mais barata: Hong Kong

    Baseado no valor da garrafa de 750 ml do Château Lafite Rothschild, safra 2009. Onde o produto não foi encontrado, o peso foi dividido igualmente entre outras categorias.

    Woraphon Nusen/EyeEm/Getty Images
  • Voo na classe executiva

    Cidade mais cara: Sidney
    Cidade mais barata: Mônaco

    Baseado em valores de passagens de duas linhas da Star Alliance por cidade. Tarifas equivalentes a viagens sem escalas partindo da cidade para Singapura, Zurique ou Nova York. Onde não havia esse cenário, uma escala foi permitida.

    Jeremy Horner/Getty Images
  • Jantar fora

    Cidade mais cara: Paris
    Cidade mais barata: Joanesburgo

    Baseado nos valores praticados nos dois melhores restaurantes da cidade. Onde foi possível, restaurantes com duas estrelas Michelin foram escolhidos.

    Tom Werner/Getty Images
  • Plano de saúde

    Cidades mais caras: Joanesburgo, Milão, Mônaco, Paris, Vancouver e Bangcoc
    Cidade mais barata: Xangai

    courtney k/Getty Images
  • Suíte de hotel

    Cidade mais cara: Nova York
    Cidade mais barata: São Paulo

    Baseado nos valores de suítes de hotéis cinco estrelas do grupo Marriott ou na maior categoria disponível na localidade, para duas pessoas, por uma semana.

    Sofie Delauw/Getty Images
  • Cirurgia de olhos (Lasik)

    Cidade mais cara: Londres
    Cidade mais barata: São Paulo

    FG Trade/Getty Images
  • Advogado

    Cidade mais cara: Xangai
    Cidade mais barata: Manila

    RUNSTUDIO/Getty Images

Bicicleta

Cidade mais cara: São Paulo
Cidade mais barata: Mumbai

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Compartilhe esta publicação: