Tráfego de passageiros da Azul em abril cai 9,1% ante março

O tráfego de passageiros em voos da Azul em abril recuou 9,1% em relação a março, segundo dados informados pela companhia aérea ontem (10), mostrando os efeitos sobre o setor da segunda onda de contaminação pela Covid-19 no Brasil.

Na comparação com abril de 2020, quando uma primeira fase das medidas de isolamento social suspenderam quase por completo a aviação comercial no país, a demanda por assentos da companhia cresceu 523,7%.

LEIA MAIS: Azul tem prejuízo de R$ 2,8 bilhões no 1º trimestre

Já a oferta de voos pela Azul no mês passado foi 16,5% menor do que em março, embora tenha crescido 455,8% no comparativo anual. Assim, a taxa de ocupação das aeronaves cresceu 6,3 pontos percentuais na base sequencial e alta de 8,5 pontos em relação a um ano antes.

A recuperação no comparativo ano a ano deveu-se quase totalmente à melhora do voos domésticos, dado que nas operações internacionais o movimento de abril equivalia a apenas cerca de 15% do registrado em abril de 2019.

O tráfego doméstico do mês passado correspondeu a cerca de três quartos da atividade observada em abril de 2019, último mês correspondente antes da pandemia.

“Em abril, seguimos gerenciando ativamente a capacidade de acordo com a demanda, que foi impactada pela segunda onda da pandemia Covid-19 e pelas medidas de quarentena implementadas em todo o país”, afirmou em nota o presidente-executivo da Azul, John Rodgerson.

Na semana passada, a rival Gol havia anunciado que a demanda por seus voos em abril foi 36% menor do que em março. (Com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).