Ibovespa segue otimismo nos Estados Unidos e fecha em alta

O Ibovespa encerrou o pregão desta segunda-feira (21) com alta de 0,67% aos 129.264 pontos, acompanhando a forte recuperação da Bolsa de Nova York e puxado pelas ações da Petrobras PN (PETR4), que subiram mais de 2% graças à alta do preço do petróleo no mercado internacional.

O aumento do preço da commodity, segundo Rafael Ribeiro, analista da Clear Corretora, ocorreu após o novo presidente eleito do Irã, Ebrahim Raisi, cobrar que os Estados Unidos voltem “imediatamente” ao acordo nuclear rompido pelo ex-presidente Donald Trump. Os dois países interromperam as negociações de suspensão das sanções norte-americanas sobre o petróleo iraniano. As medidas, que foram retomadas depois dos EUA saírem do tratado, encarecem a produção de Teerã, afetando o preço e a oferta da commodity no mercado internacional.

LEIA MAIS: Com aumento da demanda, BofA espera que petróleo atinja US$ 100 o barril ano que vem

A petrolífera também se beneficiou do novo posicionamento do Bank of America, que elevou a recomendação para os papéis ordinários da Petrobras de neutra para compra, com novo preço-alvo de R$ 37,50, afirma Ribeiro.

Lucas Collazo, especialista da Rico Investimentos, destaca que entre os impulsionadores do mercado na sessão estão as ações da Eletrobras (ELET6), que subiram 3,4% durante a votação da MP (medida provisória) da privatização da companhia na Câmara, após forte alta na semana passada. Collazo também aponta a alta de 7,8% nas ações do Grupo Pão de Açúcar (PCAR3), após notícias de que Michael Klein, filho do fundador das Casas Bahia e acionista da Via, teria interesse em comprar o GPA caso o Casino decida vender sua posição.

O resultado positivo da Bolsa brasileira reverteu a pressão negativa da abertura desta segunda-feira, quando a queda nos preços do minério de ferro – causada por uma investigação aberta por Pequim para apurar uma possível manipulação no mercado chinês – pressionava o índice na B3.

O dólar encerrou o dia em forte queda contra o real, refletindo a fraqueza da divisa norte-americana no exterior e a percepção de um cenário doméstico mais favorável para investimentos. A moeda norte-americana terminou a sessão recuando 0,92% e negociada a R$ 5,022 na venda.

Nos Estados Unidos, Wall Street teve um dia de recuperação após as perdas da semana passada. O índice Dow Jones terminou o dia com o melhor desempenho em três meses, valorizando 1,76%, aos 33.876 pontos, com ganhos puxados pelos papéis de energia diante da expectativa de melhor desempenho com a retomada econômica. O S&P 500 encerrou em alta de 1,40%, aos 4.224 pontos e o índice Nasdaq ganhou 0,79%, aos 14.141 pontos.

O movimento marcou o início da retomada do mercado depois de o Federal Reserve sinalizar na última quinta-feira (17) um aumento nas taxas de juros para o fim de 2023. A medida representa uma antecipação em relação às projeções anteriores, que não traziam expectativas de elevação nos juros pela autoridade.

Ainda nesta segunda, o Boletim Focus divulgado pelo Banco Central elevou a projeção para a taxa Selic a 6,50% para o fim deste ano, após anunciar a intenção de dar sequência ao aperto monetário, abandonando a expressão “normalização parcial”. A expectativa anterior para a taxa básica de juros era de 6,25%, na última semana o BC elevou a taxa a 4,25%

A projeção para a inflação este ano também subiu, chegando a 5,90% de 5,82% antes, bem acima do teto da meta – de 3,75%. A expectativa do PIB (Produto Interno Bruto) passou a 5,00% em 2021 e 2,10% em 2022, ante 4,85% e 2,20% respectivamente na semana anterior. (com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).