BRF faz aporte de US$ 2,5 milhões na Aleph Farms para produzir carne cultivada

A Aleph Farms pretende produzir carne cultivada a partir de células bovinas não geneticamente modificadas em 2024

Redação
Compartilhe esta publicação:
Rodolfo Buhrer/Reuters
Rodolfo Buhrer/Reuters

Os recursos da BRF para Aleph serão aplicados em planos de comercialização de carne cultivada em larga escala global e expansão do portfólio

Acessibilidade


A companhia de alimentos BRF anunciou hoje (7) o investimento de US$ 2,5 milhões na startup israelense Aleph Farms, e quer produzir carne cultivada a partir de células bovinas não geneticamente modificadas em 2024, disse à “Reuters” um executivo da empresa.

“A Visão 2030 da companhia está alinhada em seguir construindo alimentação saudável e sustentável. E dentro deste pilar de novas proteínas, assim como a carne vegetal, a tecnologia de carne cultivada é um dos caminhos”, afirmou o vice-presidente de Novos Negócios da BRF, Marcel Sacco.

LEIA TAMBÉM: Elon Musk pode ser condenado a pagar bilhões em ação sobre compra da SolarCity

Diferentemente de outras parcerias e aquisições da BRF, dessa vez a companhia realizou uma transação de venture capital, que garantirá o uso da tecnologia da Aleph Farms.

Sacco ressaltou que a parceria com a Aleph Farms, um dos principais players mundiais em carne cultivada, foi firmada em março deste ano e é um passo importante no desenvolvimento de proteínas alternativas da BRF.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Para o Brasil, ele acredita que há potencial de consumo, mas também será feito um trabalho para impulsionar o engajamento da demanda.

“Como qualquer inovação tecnológica, tem um trabalho cultural grande, o mesmo que aconteceu com as proteínas vegetais… Na medida que essa tecnologia estiver disponível na forma de produtos, vamos trabalhar isso”, afirmou.

A produção deste tipo de carne começa com a obtenção de células de alta qualidade de animais, porém sem o abate. As células são cultivadas fora do corpo do animal com o fornecimento de nutrientes e ambiente propício para seu desenvolvimento.

Ainda em fase de testes, a proteína poderá chegar ao mercado brasileiro na forma de hambúrguer, almôndegas, embutidos como salsicha ou steaks.

O investimento fez parte da segunda rodada de captações da startup israelense que levantou US$ 105 milhões entre diversas companhias pelo mundo.

VEJA MAIS: Mater Dei compra 70% de Grupo Porto Dias por mais de R$ 800 milhões

Somando os aportes obtidos na primeira rodada, o montante obtido chega a US$ 118 milhões.

De acordo com comunicado da BRF, os recursos obtidos pela Aleph serão aplicados para executar planos de comercialização de carne cultivada em larga escala global e expansão do portfólio.

“Estudos realizados com base na metodologia de Análise do Ciclo de Vida apontam que a produção de carne cultivada tem potencial para reduzir significativamente a emissão de gases do evento estufa, além de diminuir o uso de terras para criação de animais em mais de 90% e o uso de água em até 50%.” (Com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Compartilhe esta publicação: