Fed mantém juros próximos de zero e cita progressos para futura redução de estímulos

Chris Wattie/Reuters
Chris Wattie/Reuters

A inflação mais alta continua sendo o resultado de “fatores transitórios”, disse o Fed

A recuperação econômica dos Estados Unidos permanece nos trilhos apesar da alta das infecções por coronavírus, disse o Fed (Federal Reserve) hoje (28) em um novo comunicado de política monetária que continuou otimista e indicou discussões em andamento sobre a eventual retirada do suporte.

“Com o avanço das vacinações e o forte suporte de política monetária, indicadores da atividade econômica e de emprego continuaram a se fortalecer”, disse o banco central dos EUA em comunicado após a conclusão de dois dias de reuniões.

LEIA TAMBÉM: Ibovespa abre no azul com balanços positivos; investidores aguardam decisão do Fed

“A economia fez avanços” na direção de ganhos no mercado de trabalho que o Fed diz querer ver antes de reduzir suas compras mensais de títulos de US$ 120 bilhões, completou o comunicado. A decisão do Fed foi unânime.

A inflação mais alta continua sendo o resultado de “fatores transitórios”, disse o Fed, e as autoridades esperam que o progresso na vacinação contra a Covid-19 continue a aliviar o efeito da pandemia na economia.

O Fed manteve sua taxa básica de juros perto de zero e deixou inalterado seu programa de compra de títulos.

O banco central não divulgou nenhuma projeção econômica nova hoje (28), mas o chair do Fed, Jerome Powell, deverá ser questionado sobre como a alta nas infecções diárias por Covid-19 mudou as perspectivas para uma recuperação que tem avançado rapidamente, mas permanece incompleta, com o número de vagas de trabalho quase 7 milhões abaixo de onde estava no início da pandemia em 2020.

O crescimento econômico tem sido forte o suficiente para que o Fed tenha iniciado na reunião de 15 e 16 de junho as discussões sobre quando e como reduzir as compras mensais de Treasuries e títulos lastreados em hipotecas. Economistas esperam que o primeiro passo na direção do fim dos programas de crise do Fed seja dado ainda este ano ou no início de 2022. (Com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).