Governo do Japão espera que economia retorne a níveis pré-Covid até final do ano

Recuperação econômica será apoiada por exportações sólidas, elevados índices de compras e progresso nas vacinações.

Redação
Compartilhe esta publicação:
Kim Kyung-Hoo/Reuters

Rua de compras de Tóquio, Japão

Acessibilidade


A economia do Japão deve se recuperar para níveis pré-pandemia até o final deste ano, ajudada por exportações sólidas, enquanto os gastos do consumidor serão apoiados pelo progresso nas vacinações, disse o governo em estimativas revisadas divulgadas hoje (6).

Em sua revisão de meio de ano, o governo agora prevê que, durante o ano fiscal que se encerra em março, a economia crescerá 3,7% e em algum ponto o Produto Interno Bruto (PIB) real excederá os 547 trilhões de ienes (US$ 4,9 trilhões) registrados entre outubro e dezembro de 2019.

LEIA TAMBÉM: Preços do aço acompanham minério de ferro e fecham em alta na China

“A recuperação do Japão será moderada na primeira metade deste ano fiscal, mas se acelerará na segunda metade devido a ganhos constantes nas exportações e despesas de capital”, disse o governo, acrescentando que também haverá uma aceleração nos gastos com serviços.

As projeções parecem mostrar uma expansão mais fraca do que a estimativa do governo de janeiro, que apostava num crescimento de 4,0% para este ano fiscal. Mas isso se deve em grande parte a uma contração menor do que a esperada de 4,6% da economia no ano fiscal de 2020.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

O crescimento no próximo ano fiscal deve desacelerar para 2,2%, à medida que o ritmo das exportações é moderado. Mas a demanda doméstica robusta elevará o PIB para um recorde de 558 trilhões de ienes, de acordo com as projeções, que servem de base para a formulação de políticas e elaboração do orçamento do Estado.

As previsões vêm na esteira de um relatório do banco central do Japão divulgado ontem (5), que pintou uma visão cautelosamente otimista sobre as economias regionais, em um sinal de que as autoridades não querem intensificar as medidas de estímulo fiscal ou monetário tão cedo.

VEJA MAIS: Indicador Antecedente de Emprego no Brasil vai a máxima desde início da pandemia em junho, diz FGV

A terceira maior economia do mundo está atualmente atrás dos Estados Unidos, Reino Unido e muitos países europeus em relação à vacinação. O aumento do número de infecções forçou o Japão a manter restrições de estado de “quase” emergência semanas antes do início dos Jogos Olímpicos de Tóquio, em 23 de julho. (Com Reuters)

 

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Compartilhe esta publicação: