Inflação, pandemia e dívidas são as principais preocupações dos bancos centrais, diz pesquisa UBS

Mais de 50% dos gestores acreditam que a taxa de aumento de preços é o maior risco da economia mundial atualmente.

Redação
Compartilhe esta publicação:
Ratana21/Getty Images
Ratana21/Getty Images

Para 50% dos gestores dos bancos centrais, a inflação é o maior risco da economia mundial atualmente

Acessibilidade


A inflação apareceu como uma das principais preocupações dos gestores de reservas de bancos centrais, juntamente com o fracasso em pôr fim à crise da Covid-19 e o aumento dos níveis da dívida, mostraram resultados de uma pesquisa do UBS divulgada hoje (7).

Temores em relação à inflação e aumentos descontrolados nos rendimentos de longo prazo, riscos não sinalizados pelos participantes da Pesquisa Anual de Gestores de Reservas do ano passado, foram neste ano levantados por 57% dos entrevistados como principal risco para a economia mundial.

LEIA MAIS: Chefe do FMI vê risco de aumento sustentado da inflação nos EUA

O fracasso em acabar com a pandemia foi citado como preocupação por 79% dos entrevistados, com 71% sinalizando os níveis da dívida do governo.

Refletindo a angústia sobre a gravidade da Covid-19, metade dos participantes da pesquisa acredita que o vírus acabará somente após 2022.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Gestores de reservas de aproximadamente 30 bancos centrais mundiais responderam à pesquisa, conduzida durante os meses de abril e junho.

“A inflação voltou ao topo das preocupações dos banqueiros centrais”, disse Massimiliano Castelli, chefe de estratégia e consultoria para mercados soberanos globais do UBS, à Reuters.

“A maioria está dizendo que espera um aumento, mas não chega a níveis muito altos de inflação. Portanto, parece que existe uma espécie de visão entre a comunidade de bancos centrais de que o atual aumento da inflação que estamos experienciando é transitório.”

Mais de dois terços dos participantes na pesquisa esperam que o Fed (Federal Reserve) dos Estados Unidos aumente as taxas de juros em 2023, enquanto 30% esperam que o Fed o faça em 2022.

LEIA MAIS: Credit Suisse eleva a 6,9% estimativa de inflação para 2021

Em contrapartida, os participantes esperam um ciclo de alta posterior para o BCE (Banco Central Europeu), com 33% esperando o primeiro aumento dos juros para 2023, 41% em 2024 e apenas 26% depois de 2024. (Com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Compartilhe esta publicação: