Mineradora de bitcoin Core busca avaliação de US$ 4 bilhões em IPO na Nasdaq

Getty Images
Getty Images

Com oferta de ações, Core projeta destinar US$ 350 milhões a novos equipamentos e infraestrutura

A Core Scientific, uma das maiores mineradoras de criptomoedas dos Estados Unidos, anunciou ontem (21) que planeja ser listada na bolsa Nasdaq em um negócio que a avalia em US$ 4,3 bilhões – sinal de que a relevância do país como um centro de mineração de bitcoin deve crescer à medida que a China, há muito tempo líder nesse mercado, continua combatendo o setor.

Como parte do negócio, que ainda está sujeito à aprovação dos acionistas, a Core se fundirá à Spac (empresa de aquisição de propósito específico) Power & Digital Infrastructure, e destinará cerca de US$ 345 milhões a novos equipamentos e infraestrutura.

LEIA MAIS: Bitcoin cai abaixo de US$ 30 mil pela 1ª vez em um mês

A empresa com sede na Geórgia, que também vende software e hardware de blockchain, revelou que espera uma receita total de US$ 493 milhões e lucro ajustado de US$ 203 milhões este ano, seguido por receitas de US$ 1,1 bilhão e ganhos de quase US$ 600 milhões em 2022. Segundo os planos da companhia, os acionistas existentes reterão suas participações, que somam cerca de 89%, na empresa resultante da fusão.

A Core minerou 1.683 bitcoins, que atualmente valem cerca de US$ 53 milhões, na primeira metade do ano em instalações na Geórgia, Kentucky e Carolina do Norte; um quarto armazém está em construção na Dakota do Norte.

Na quarta, a Argo Blockchain, outra mineradora de criptomoedas que já listada na Bolsa de Valores de Londres, também anunciou planos para abrir seu capital nos EUA, dizendo que protocolou um prospecto confidencial na Comissão de Valores Mobiliários com uma proposta de listagem.

Os EUA rapidamente se tornaram o segundo maior centro de mineração de bitcoin do mundo. De acordo com dados da Universidade de Cambridge, quase 17% de toda a mineração de bitcoin acontece nos EUA, cerca de três vezes mais do que há um ano. Enquanto isso, a participação da China despencou de 80% para 45%. Esse número deve continuar caindo à medida que mais províncias anunciam planos abrangentes para proibir a mineração de criptomoedas para reduzir riscos ambientais. Na semana passada, a província chinesa de Anhui se tornou a última região a proibir a prática para ajudar a aliviar a escassez de energia que as autoridades temem que aconteça num futuro próximo.

“Nos últimos 18 meses, tivemos um grande crescimento em infraestrutura de mineração nos EUA”, disse Darin Feinstein, fundador da Core Scientific. “Percebemos um grande aumento de operações de mineração que buscam se mudar para a América do Norte, principalmente para os EUA.”

O bilionário Michael Saylor, executivo de longa data da empresa de análise de dados MicroStrategy, elogiou as listagens da Core e da Argo em tweets ontem, dizendo que os mineradores de bitcoins negociados em bolsas trarão “capital financeiro, instalações de engenharia e credibilidade” para a rede global de criptomoedas e “aprimorarão o bitcoin como um ativo institucional.” A MicroStrategy possui cerca de 92.079 bitcoins, avaliados em mais de US$ 3,2 bilhões na quarta, o que faz dela a empresa com o maior investimento em bitcoins do mundo.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).