Shell amplia dividendos e inicia recompra de ações após disparada no lucro

Forte alta nos preços de óleo e gás impulsionou os ganhos da petroleira no 2º trimestre ao maior patamar em mais de dois anos.

Redação
Compartilhe esta publicação:
iStock
iStock

De abril a junho, a petroleira Shell teve maior lucro trimestral desde o final de 2018

Acessibilidade


A petroleira Royal Dutch Shell ampliou seus dividendos e lançou um programa de recompra de ações de US$ 2 bilhões hoje (29), após uma forte alta nos preços de óleo e gás ter impulsionado os lucros da empresa no segundo trimestre ao maior patamar em mais de dois anos.

À medida que os resultados da indústria se recuperam do colapso na demanda por energia causado pela pandemia de coronavírus no ano passado, as concorrentes TotalEnergies e Equinor também anunciaram recompras de ações.

LEIA MAIS: Shell confirma planos de recorrer de decisão judicial holandesa sobre metas climáticas

As ações da Shell, negociadas em Londres, avançavam cerca de 4% nesta manhã, superando a performance de pares como BP e TotalEnergies.

“Estamos hoje acelerando nossas distribuições aos acionistas, aumentando os dividendos e iniciando recompras de ações, ao mesmo tempo em que continuamos investindo para o futuro da energia”, disse em comunicado o presidente-executivo da Shell, Ben van Beurden.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Os lucros ajustados da companhia avançaram para US$ 5,53 bilhões, maior nível desde o quarto trimestre de 2018, superando a média das estimativas de analistas, de US$ 5,07 bilhões, conforme dados fornecidos pela empresa. Em igual período do ano anterior, a Shell havia registrado lucro de US$ 638 milhões.

Além dos preços mais altos dos combustíveis, o aumento no lucro da divisão de marketing da Shell, que abriga a maior rede de postos de gasolina do mundo, também impulsionou os resultados, com um crescimento nas vendas de café e lanches.

A diretora financeira da Shell, Jessica Uhl, disse que a demanda global por combustíveis atingiu de 90% a 100% dos níveis pré-pandemia, mas que o consumo de combustível de aviação permaneceu fraco. (Com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Compartilhe esta publicação: