TC precifica IPO a R$ 9,50 por ação e é avaliado em R$ 2,7 bilhões

A plataforma social para investidores TC levantou R$ 606,9 milhões numa oferta inicial de ações (IPO) ontem (26), segundo dados publicados na Comissão de Valores Mobiliários (CVM), que a avaliou a empresa em R$ 2,7 bilhões.

O TC obteve preço de R$ 9,50 por papel, perto do piso da faixa estimada para a operação de R$ 9 a R$ 11,25, confirmando reportagem publicada mais cedo pela “Reuters”.

LEIA TAMBÉM: Amazon nega planos para aceitar pagamento em bitcoin

Na oferta, primária e coordenada por BTG Pactual e Banco Modal, foram vendidas 63.888.889 milhões de ações – oferta base e ações suplementares. O lote adicional não foi exercido.

O início das negociações dos papéis no Novo Mercado da B3 está previsto para amanhã (28), sob o código “TRAD3”.

Os recursos com a oferta serão usados para aquisições para aprimorar o ecossistema da TC e investimentos em desenvolvimento e aprimoramento da plataforma e em marketing.

Fundado em 2016, o TC, antes conhecido como TradersClub, oferece serviços como notícias, pesquisa e chats sobre investimentos. Tem uma base de 470 mil usuários no aplicativo.

Em 2020, a plataforma teve receita líquida de R$ 40 milhões, com Ebitda de R$ 18,8 milhões e lucro líquido R$ 13 milhões. Nos primeiros quatro meses de 2021, a receita somou R$ 21 milhões, com Ebitda de R$ 663 mil e prejuízo de R$ 26 mil.

VEJA MAIS: Como o Brown Brothers criou as finanças modernas nos EUA

A base de usuários atingiu 75 mil usuários pagantes em 30 de abril. (Com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).