Agência norte-americana abre investigação sobre a segurança dos veículos da Tesla

Senadores alegam que marketing da companhia exagerou nas capacidades de seus carros, colocando em risco motoristas e passageiros.

Alan Ohnsman
Compartilhe esta publicação:
Reprodução/Forbes
Reprodução/Forbes

No último dia 19, o bilionário Elon Musk transmitiu ao vivo o seu evento “Dia da IA”

Acessibilidade


Os planos de Elon Musk para promover a Tesla como uma empresa líder em tecnologia e divulgar os avanços que a companhia tem obtido com IA (inteligência artificial) se tornaram um pouco inconvenientes na última semana. Isso porque as declarações do CEO bilionário ocorreram em meio a indícios de que o governo dos Estados Unidos pode fazer uma rígida investigação da montadora de veículos elétricos.

No último dia 19, a Tesla transmitiu ao vivo o seu evento “Dia da IA”. Assim como fez na apresentação do “Dia da Bateria”, em 2020, e do “Dia da Automação”, em 2019, analistas e investidores foram convidados a participar da convenção, ao contrário da imprensa que, ao que tudo indica, não foi chamada.

Siga todas as novidades do Forbes Tech no Telegram

O evento de tecnologia da empresa aconteceu dias depois da NHTSA (Administração Nacional de Segurança de Tráfego Rodoviário, na sigla em inglês) abrir sua maior investigação até agora sobre o recurso de piloto automático da Tesla, baseada em 11 acidentes com os veículos da montadora. Os incidentes resultaram em vários ferimentos e pelo menos uma fatalidade e, em cada uma das colisões, o piloto automático ou o controle de cruzeiro com reconhecimento de tráfego estavam em uso.

No dia 18, os senadores Ed Markey, de Massachusetts, e Richard Blumenthal, de Connecticut, pediram à FTC (Federal Trade Commission, agência norte-americana voltada à proteção do consumidor) que investigasse as tecnologias parcialmente automatizadas da Tesla, com foco no uso do piloto automático e do FSD (Full Self Driving, ou auto-condução completa).

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

“O marketing da Tesla exagerou repetidamente as capacidades de seus veículos, e essas declarações representam cada vez mais uma ameaça aos motoristas e passageiros”, disseram os senadores em uma carta à presidente da FTC, Lina Khan . “Por isso, pedimos que você abra uma investigação sobre práticas potencialmente enganosas e injustas na publicidade da montadora, em relação a seus sistemas de automação de direção, e tome as medidas de fiscalização adequadas para garantir a segurança de todos.”

A Tesla, que não tem mais uma equipe de relações públicas, não respondeu aos nossos pedidos para comentar o tema e não se manifestou no site ou em suas redes sociais.

O piloto automático, um recurso que a empresa promove desde 2014, está relacionado a dezenas de acidentes e múltiplas fatalidades nos Estados Unidos e no exterior. Exemplo disso é o acidente de 2016, na Flórida, que matou o motorista Joshua Brown, que dirigia o Model S. No ano seguinte, a NHTSA encerrou a investigação sem encontrar a falha do veículo. Já em 2018, um caso fatal envolvendo o engenheiro do Vale do Silício Walther Huang levou a família do motorista, que dirigia o Modelo X Huang, a processar a montadora, afirmando que piloto automático da Tesla é uma tecnologia defeituosa.

O portal “Electrek”, conhecido por sua cobertura amplamente positiva da Tesla, aparentemente obteve um convite para participar do “Dia da IA” e forneceu alguns detalhes sobre o que se esperava do evento. “A convenção apenas para convidados contará com uma palestra de Musk; demonstrações de hardware e software; passeios de teste no Model S Plaid, e muito mais”, disse. “Os participantes serão os primeiros a ver os mais recentes desenvolvimentos em supercomputação e treinamento de redes neurais. Além disso, eles terão uma visão interna do que vem por aí para a inteligência artificial na Tesla, para além da frota de veículos.”

LEIA MAIS: Musk diz que Tesla deve lançar protótipo de robô humanoide em 2022

Embora as notícias da investigação da NHTSA parecessem golpear as ações da Tesla no início da semana passada, os papéis subiram na quarta-feira (18), fechando 3,5%, a US$ 688,99, nas negociações da bolsa norte-americana Nasdaq. Até agora, a montadora teve uma queda de 2,4% neste ano.

“O evento ‘Dia da IA’ se tornou muito mais importante para a Tesla diante da investigação na última semana, com o objetivo de mostrar os avanços de software e o progresso de segurança que a marca almeja para a próxima década”, disse Dan Ives, analista de ações da Wedbush Securities. “O ‘The Street’ [site norte-americano de notícias financeiras] estará observando este evento de perto em busca de dicas sobre o futuro da inteligência artificial, FSD e avanços tecnológicos que diferenciam ainda mais a Tesla da concorrência crescente no mercado de veículos elétricos.”

Segundo Ives, os recursos de software e inteligência artificial da Tesla são essenciais para a “tese de alta ao longo prazo” da empresa. O especialista espera ouvir atualizações sobre o supercomputador Dojo, que a montadora está desenvolvendo. “A semana foi difícil para a Tesla, e o ‘The Street’ precisa de boas notícias para este evento de IA.”

Os defensores de segurança levantaram preocupações de que o nome do piloto automático (Autopilot, em inglês) leve muitos usuários a depositar demasiada confiança no recurso de assistência ao motorista. Isso foi confirmado ao longo dos anos por vários proprietários de veículos Tesla postando vídeos tratando o recurso como um sistema autônomo, com algumas pessoas dormindo frente ao volante ou sentados no banco de trás enquanto viajam pela rodovia. O piloto automático é um ADAS (Sistema de Assistência ao Motorista Avançado), e a empresa alerta que os usuários devem estar prontos para assumir o controle do veículo a qualquer momento.

Em 2020, um tribunal alemão determinou que chamar o sistema de Autopilot era enganoso, e proibiu que a Tesla usasse esse e o termo Full Self Driving para os automóveis vendidos naquele mercado.

“Atualmente, não há veículos totalmente autônomos disponíveis”, disseram Markey e Blumenthal em sua carta. “Compreender essas limitações é essencial, pois quando as expectativas dos motoristas excedem as capacidades de seus veículos, podem ocorrer acidentes graves e fatais.”

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Compartilhe esta publicação: