Crescimento da indústria da China recua para o mínimo em 15 meses em julho, mostra PMI do Caixin

Thomas Peter/Reuters
Thomas Peter/Reuters

Fábrica da produtra de componentes SMC em Pequim, China

O crescimento da atividade industrial da China enfraqueceu com força em julho uma vez que a demanda contraiu pela primeira vez em mais de um ano, em parte devido aos preços altos de produtos, apresentada uma pesquisa Índice de Gerentes de Compras (PMI, na sigla em inglês).

O PMI da indústria do Caixin/Markit para a China caiu a 50,3 no mês passado de 51,3 no mês anterior, o nível mais baixo desde abril de 2020.

LEIA TAMBÉM: Senado dos EUA aprova projeto de infraestrutura em votação bipartidária

Analistas consultados pela “Reuters” esperavam que o índice caísse para 51,1. A marca de 50 separa crescimento de contração.

A economia chinesa se recuperou dos problemas causados ​​pela pandemia do coronavírus, mas enfrentou nos últimos meses novos desafios como custos mais altos de matéria-prima, o que pesou sobre o crescimento dos resultados em empresas industriais em junho.

Os resultados mais fracos na pesquisa privada, que cobre principais indústrias pequenas e orientadas para exportação, informada em linha com os levantamento oficial divulgado no último sábado (31) e que crescimento da atividade no ritmo mais lento em 17 meses.

“A economia ainda enfrenta enorme pressão negativa”, disse Wang Zhe, economista sênior do Caixin Insight Group, em comentários divulgados junto com os dados. Os altos preços dos produtos reduziram a demanda, especialmente para bens ao consumidor e bens intermediários, disse Wang.

O subíndice de novas encomendas registrou contração pela primeira vez desde maio de 2020, enquanto o subíndice de produção recuou para o ritmo mais lento de expansão desde março do ano passado. (Com Reuters)

 

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).