Governo estabelece diretrizes para redução voluntária de consumo de energia

Oferta surge em momento de baixa geração hidrelétrica devido à crise hídrica.

Redação
Compartilhe esta publicação:
Paulo Whitaker/Reuters
Paulo Whitaker/Reuters

Em meio a baixa geração hidrelétrica devido à crise hídrica, o governou publicou diretrizes para a oferta de redução voluntária de demanda de energia elétrica

Acessibilidade


O governo publicou hoje (23) portaria que estabelece as diretrizes para a oferta de redução voluntária de demanda de energia elétrica para atendimento ao SIN (Sistema Interligado Nacional), em momento em que o país lida com baixa geração hidrelétrica devido à crise hídrica.

Tais diretrizes, estabelecidas de forma excepcional e temporária, até 30 de abril de 2022, integram as ações do governo para lidar com a maior crise hídrica em reservatórios de hidrelétricas do país em mais de 90 anos e permitem que o setor industrial contribua para a garantia do abastecimento elétrico.

LEIA TAMBÉM: Após 7 dias em queda, preços do petróleo saltam 3% com desvalorização do dólar

Poderão participar consumidores livres, os agentes agregadores, os consumidores modelados sob agentes varejistas e os denominados consumidores parcialmente livres, o que será submetido à apreciação do CMSE (Comitê de Monitoramento do Setor Elétrico).

Os agentes que optarem por participar deverão encaminhar suas ofertas de redução de demanda para o ONS (Operador Nacional do Sistema Elétrico), seguindo procedimentos determinados, conforme publicação do Ministério de Minas e Energia na edição extra do DOU (Diário Oficial da União) publicada hoje (23).

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

As diversas ofertas irão competir também entre si, com o objetivo de se reduzir os custos associados.

Para fazer parte do processo competitivo, os participantes devem seguir alguns requisitos, como estarem adimplentes com as obrigações, destacou o Ministério de Minas e Energia em nota.

“As ofertas… consistem em múltiplos produtos com duração horária, de quatro e sete horas, lotes com volume mínimo de 5 MW, para cada hora de duração da oferta, discretizados no padrão de 1 MW, preço em R$/MWh, dia da semana e identificação do Submercado da oferta”, disse a portaria no DOU.

Já o ONS será o responsável por apresentar as ofertas ao CMSE para manifestação sobre o aceite ou não, conforme diretrizes estabelecidas.

A portaria definiu que o montante verificado nos termos da portaria será contabilizado no Mercado de Curto Prazo pela CCEE (Câmara de Comercialização de Energia Elétrica) e o resultado financeiro decorrente dessa contabilização será pago aos agentes ofertantes.

ONS e CCEE, no âmbito de suas competências, deverão editar rotinas e regras operacionais provisórias necessárias ao cumprimento do disposto na portaria.

As diretrizes são resultado de proposta colocada em consulta pública neste mês, elaborada a partir de contribuições recebidas e das reuniões com diversos segmentos do setor elétrico brasileiro. (Com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Compartilhe esta publicação: