Ibovespa fecha em baixa com queda das ações do Bradesco e ruídos políticos

Unidade de seguros do banco registrou queda no lucro de 58,3% por causa do aumento de sinistros ligados à pandemia da Covid-19.

Diana Lott
Compartilhe esta publicação:

Acessibilidade


O Ibovespa fechou o dia com baixa de 1,44%, a 121.801 pontos, caindo abaixo da marca de 121 mil pontos pela primeira vez desde maio. Pesaram na Bolsa brasileira os recuos de 4,36% e 3,53% das ações do Bradesco (BBDC4 e BBDC3, respectivamente) – o banco registrou queda de 58,3% no lucro da unidade de seguros – e o noticiário político em Brasília, com Executivo e Legislativo discutindo medidas que podem agravar o quadro fiscal do país, como a criação de um novo programa social.

O mercado aguarda ainda hoje (4) a decisão do Copom sobre o aumento da taxa Selic, que será anunciada após às 18:30, e a publicação dos balanços de Petrobras, Braskem, Banco do Brasil e Totvs. “Já está precificada uma alta de 1 ponto-percentual, levando a Selic para 5,25% ao ano, com expectativa de um comunicado mais duro visando o combate da inflação e sinalizando no mínimo um aumento 0,75 ponto-percentual para o próximo encontro a depender da inflação”, afirma Rafael Ribeiro, da Clear Corretora.

Acompanhe em primeira mão o conteúdo do Forbes Money no Telegram

Segundo dados divulgados hoje (4) pela IHS Markit, o PMI de serviços do Brasil subiu a 54,4 em julho, de 53,9 em junho, o segundo aumento consecutivo na produção e o mais rápido em oito anos e meio. Leituras acima de 50 indicam expansão. A recuperação do setor de serviços brasileiro é impulsionada pela conquista de novos clientes, pelo fortalecimento da demanda e pela suspensão de algumas medidas de combate à pandemia.

“Alguns dos obstáculos da Covid-19 enfrentados pelos prestadores de serviços diminuíram em julho, com as condições da demanda melhorando devido à diminuição das restrições locais e a maior acesso à vacina”, explicou em nota Pollyanna De Lima, diretora-associada de Economia da IHS Markit.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Nos Estados Unidos, o dia também foi de baixas. O Dow Jones caiu 0,92%, a 34.792 pontos; o S&P 500 recuou 0,46%, a 4.402 pontos, e o Nasdaq teve leve alta de 0,13%, a 14.780 pontos.

Os investidores receberam mal os dados do relatório ADP sobre o mercado de trabalho no país, que mostraram a criação de 330 mil vagas no setor privado em julho, bem abaixo das projeções do Refinitiv, que calculava 695 mil novos postos. Os papéis da General Motors registraram seu pior dia em mais de um ano, apesar da empresa ter divulgado um lucro antes de impostos recorde.

Na contramão do mercado, as ações da corretora online Robinhood dispararam e fecharam o dia com alta de 50,41% – os papéis chegaram a subir mais de 80% durante a sessão.

O dólar fechou o dia em baixa de 0,15%, a R$ 5,1838 na venda. A moeda norte-americana perdeu força depois do Banco Central divulgar que o saldo do fluxo cambial foi positivo em US$ 831 milhões em julho, o fluxo mais fraco do ano, pressionado por saídas nas operações financeiras. (Com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Compartilhe esta publicação: