Juros longos de mais de 10% estão refletindo risco do Brasil

"Nossa situação fiscal ainda requer um trabalho constante para continuidade do processo de consolidação", afirma Bruno Funchal

Redação
Compartilhe esta publicação:
Bruno Domingos/Reuters
Bruno Domingos/Reuters

“Nossa situação fiscal ainda requer um trabalho constante para continuidade do processo de consolidação”, diz Bruno Funchal, secretário especial do Tesouro e Orçamento do Ministério da Economia

Acessibilidade


O Tesouro Nacional está pagando mais de 10% de juros na emissão de títulos de 10 anos, afirmou hoje (18) o secretário especial do Tesouro e Orçamento do Ministério da Economia, Bruno Funchal, acrescentando que o custo está refletindo o risco do Brasil, que está muito acima do verificado em outros países emergentes.

“Nossa situação fiscal ainda requer um trabalho constante para continuidade do processo de consolidação”, disse ele em audiência na CMO (Comissão Mista de Orçamento) do Congresso, após pontuar que o risco da dívida mais alta do Brasil está traduzido nos juros.

LEIA TAMBÉM: Câmara adia novamente votação do projeto de reforma do Imposto de Renda

Funchal também afirmou que com juro de longo prazo alto fazer investimento fica mais caro, o que gera menos empregos. Por isso, o desafio do país é colocar a curva de juros para baixo com contas públicas organizadas, disse.

O secretário apontou que, após a explosão de gastos extraordinários no ano passado em meio à pandemia de Covid-19, um grande desafio do Tesouro é hoje lidar com novo nível de dívida mais alta, o que exige mais emissões para fins de rolagem.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

“Nossas emissões estão hoje quase três vezes acima do que eram antes da pandemia. Então antes a gente emitia quase R$ 60 bilhões (por mês), agora em média a gente emite R$ 140 bilhões”, disse.

Na pandemia, o prazo médio das emissões chegou a cair para dois anos, sendo que agora o Tesouro conseguiu esticá-lo a quase cinco anos.

Em relação à PEC (Proposta de Emenda à Constituição) dos Precatórios, Funchal voltou a dizer que o objetivo com a investida foi harmonizar o crescimento dos valores pagos pela União por perdas definitivas sofridas na Justiça com a regra do teto de gastos.

Funchal frisou que a regra é importante para os agentes econômicos e que coloca um limitador na elevação das despesas, o que previne aumento de dívida ou da carga tributária. (Com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Compartilhe esta publicação: